Uma imagem da viagem partilhada por Donald Trump Jr. no Instagram
Foto
Uma imagem da viagem partilhada por Donald Trump Jr. no Instagram DR

Donald Trump Jr. matou carneiro de espécie ameaçada na Mongólia

A licença de caça só foi emitida dias depois de a caçada ter tido lugar.

O filho do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump Jr., matou um carneiro selvagem argali, uma espécie ameaçada, numa viagem de caça à Mongólia, em Agosto último. E recebeu a licença de caça apenas depois, com efeitos retroactivos, revelou esta quarta-feira, 11 de Dezembro, o site ProPublica.

Donald Trump Jr. recebeu uma das 86 licenças de caça concedidas este ano pelo governo mongol para matar um exemplar destes animais, considerados ameaçados desde 2011 — e entre as ameaças que enfrentam estão a perda de habitat e a caça.

Amgalanbaatar Sukh, cientista que dirige um centro de investigação sobre esta espécie, disse à ProPublica que a gestão das licenças é muito política e muito pouco transparente. Em teoria servem para conseguir dinheiro para financiar esforços de conservação, já que a população destes animais caiu para menos de metade entre 1985 e 2009. 

Um porta-voz de Trump Jr. assegurou que a viagem foi comprada num leilão na National Rifle Association (NRA, o lobby das armas norte-americano) em 2015, antes de o seu pai anunciar a candidatura à presidência, e que foi paga pelo próprio, incluindo a licença de caça.

Mas, segundo a ProPublica, Trump Jr. recebeu apoio e “tratamento especial” do governo mongol e a licença de caça, uma de três concedidas para aquela região, só foi emitida a 2 de Setembro, quando o filho do presidente norte-americano já tinha abandonado a área. Na mesma viagem, Trump Jr. esteve com o presidente do país.

Os filhos do presidente dos Estados Unidos são ambos fãs de caça e já participaram em safáris em África — imagens dos dois com um elefante e com um leopardo que tinham matado causaram polémica durante a campanha, lembra o The Washington Post. A viagem à Mongólia também ficou documentada, no Instagram de Donald Trump Jr., e o empresário terá pedido para os guias que o acompanharam guardarem o corpo do animal para ser usado como troféu.