A fotografia que venceu o segundo lugar do concurso.
Foto
A fotografia que venceu o segundo lugar do concurso. Miguel Pereira

Uma exposição para mostrar os efeitos das alterações climáticas em Portugal

A exposição que retrata diferentes impactos das alterações climáticas em Portugal inaugura-se em Évora, a 12 de Dezembro, com fotografias enviadas por fotógrafos amadores e profissionais.

Uma exposição itinerante que mostra várias dimensões das alterações climáticas vai ser inaugurada em Évora, esta quinta-feira, 12 de Dezembro. Phenomena é o resultado de um concurso organizado pelo movimento ecoVerney, da Escola de Ciências e Tecnologia da Universidade de Évora (UÉ), em colaboração e com o apoio de várias entidades.

Das 200 imagens enviadas por fotógrafos amadores e profissionais foram seleccionadas 30 para integrarem a exposição, que se inaugura às 17h, na Igreja do Salvador do Mundo. As imagens, realçam os promotores da iniciativa, representam “o olhar dos fotógrafos” que responderam ao apelo do concurso de fotografia cujo propósito foi “desafiar os cidadãos a focar a atenção sobre as mudanças ambientais em Portugal através da fotografia”. “A partir da fotografia, não estamos ancorados àquilo que é a explicação do cientista. Estamos a falar de experiências de todos os que fazem parte deste grande colectivo [que é o] planeta”, dizia ao P3 Maria Ilhéu, docente na Universidade de Évora e coordenadora do ecoVerney, em Fevereiro último. 

PÚBLICO -
Foto
A fotografia vencedora. Francisco Brito

O concurso de fotografia decorreu entre 1 de Dezembro de 2018 e 22 de Abril de 2019 e premiou dois autores com prémios no valor global de três mil euros. O primeiro prémio foi atribuído a Francisco Brito pela fotografia intitulada “Ninho do Degebe - Casa na Árvore”, que retrata uma situação de inundações, enquanto o segundo foi para Miguel Pereira com a fotografia “A água que esconde”, que mostra a seca extrema na barragem do Pego do Altar, em Alcácer do Sal. A cerimónia de entrega dos prémios vai decorrer em paralelo com a inauguração da exposição.

O primeiro prémio adoptou o nome de João Corte-Real para homenagear o climatologista e professor catedrático, vice-presidente do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), falecido em 2018. A exposição pode ser vista em Évora até 14 de Fevereiro de 2020, seguindo depois em itinerância para outros locais.