Jesus separado dos pais e preso numa jaula

Igreja na Califórnia faz presépio de protesto contra as políticas da administração Trump em relação aos imigrantes e para lembrar que as famílias continuam a ser separadas na fronteira.

Foto
O presépio de protesto no exterior da igreja de Claremont Claremont United Methodist Church

Jesus, Maria e José todos separados e presos em jaulas foi a forma que a Claremont United Methodist Church, em Claremont, na Califórnia, escolheu para protestar contra o endurecimento da política de migração nos Estados Unidos, que separa famílias na fronteira.

A igreja tem estado muito activa na angariação de fundos para conseguir advogados para as crianças separadas na fronteira através da Justice for Our Neighbors (JFON), tendo conseguido juntar dez mil dólares.

Para mostrar visualmente o seu protesto, a igreja resolveu fazer um presépio em que Jesus é separado dos pais e todos eles são colocados em jaulas. “A declaração teológica com este presépio: numa altura em que no nosso país famílias refugiadas buscam asilo nas nossas fronteiras e são separadas contra a sua vontade, nós acreditamos na família de refugiados mais conhecida do mundo: Jesus Maria e José, a sagrada família”, escreveu no Facebook Karen Clark Ristine, pastora da Claremont United Methodist Church.

A pastora e também jornalista, que garante que dentro da Igreja a sagrada família está reunida no presépio, diz que esta é uma forma de reflexão, colocando a pergunta: “E se esta família procurasse hoje refúgio na fronteira?”

“Imaginem José e Maria separados na fronteira e Jesus, não tendo mais de dois anos, retirado à sua mãe e posto atrás das grades num centro de detenção da Guarda Fronteiriça como aconteceu a mais de 5500 crianças nos últimos três anos?”

É, por isso que este ano, na Claremont UMC, na cena do presépio se lembram “milhares de famílias anónimas separadas nas nossas fronteiras”, explicou Karen Clark Ristine.

No seu site, a igreja lembra ainda que, além das crianças separadas das famílias, há ainda 15 mil jovens e crianças que chegaram sozinhas às fronteiras dos Estados Unidos e que estão espalhadas por vários centros de detenção pelo país.

“O Comité Criativo de Pacificação da Claremont UMC decidiu manter a nossa congregação consciente desta necessidade urgente e encorajar os nossos membros a continuar a contribuir para os esforços da JFON”, lê-se no texto escrito por Rose Schneeberger no site da igreja.