Tráfico de droga: português detido no Brasil por suspeitas de pertencer a organização criminosa

Suspeito vai responder por associação ao tráfico, associação criminosa e branqueamento de capitais.

Foto
Rui Gaudencio/Arquivo

Uma operação contra o tráfico de droga no Brasil culminou, esta semana, na detenção de um português, suspeito de ser o principal agenciador de negócios de uma organização criminosa, disseram as autoridades locais.

Segundo o Departamento Estadual de Investigações Criminais (DEIC) da Polícia Civil de São Paulo, o cidadão português foi capturado na última quarta-feira, 4 de Dezembro, em Paulínia, região de Campinas.

As autoridades descobriram as actividades ilícitas após terem detido, em Agosto deste ano, um outro importante membro da mesma organização criminosa. “A princípio, o português aparecia como doleiro [pessoa que faz o câmbio de moedas estrangeiras]. Depois, foi revelada uma relação muito mais participativa dele nas actividades criminosas. Segundo o apurado, o preso, devido a sua expertise na compra e venda de dinheiro, passou a funcionar como um agenciador de prestação de serviços”, indicou o DEIC na sua página da Internet.

“O homem, conhecedor das actividades comerciais dos criminosos e das suas necessidades, passou a resolver, principalmente, problemas de logística e branqueamento de capitais. Ele agenciava aviões para transporte de drogas das principais regiões produtoras”, acrescentaram ainda as autoridades.

PÚBLICO -
Foto
Foram apreendidos veículos de luxo, cocaína, armas e nove aeronaves Polícia Civil do Estado de São Paulo

A investigação argumenta ainda que o português tinha como função tratar do carregamento de armas para abastecer os integrantes da organização criminosa, além de dinheiro proveniente de outros países para o Brasil, através de aeroportos em cidades próximas à capital de São Paulo.

Na operação, além da detenção do homem português, os polícias apreenderam veículos de luxo, cocaína, armas e nove aeronaves que faziam parte de uma frota para o transporte de estupefacientes, armamento e dinheiro. O suspeito irá responder por associação ao tráfico, associação criminosa e branqueamento de capitais.