Cotrim Figueiredo escolhe jovens como público alvo da Iniciativa Liberal

Deputado único será hoje eleito como líder do partido.

João Cotrim Figueiredo será eleito este domingo líder da Iniciativa Liberal
Foto
João Cotrim Figueiredo será eleito este domingo líder da Iniciativa Liberal daniel rocha

O candidato único à liderança da Iniciativa Liberal, João Cotrim Figueiredo, defendeu este domingo que para o partido crescer tem de “falar para novos públicos e adoptar novas causas”, estabelecendo como alvo principal a juventude.

O deputado João Cotrim Figueiredo apresentou no final da manhã dos trabalhos da III Convenção Nacional, em Pombal (distrito de Leiria), a moção de estratégia global, intitulada “Juntos a Liberalizar”, com a qual se apresenta à presidência como primeiro subscritor, na única candidatura à sucessão de Carlos Guimarães Pinto.

Depois de elencar as prioridades para este mandato de dois anos ­ sobretudo focadas no primeira sessão legislativa da actual legislatura ­, João Cotrim Figueiredo explicou aquela que considera ser a fórmula para o crescimento do partido, estreante no Parlamento nesta legislatura.

Assim, na perspectiva do liberal, o partido tem de “falar para novos públicos” ao mesmo tempo que é capaz de “adoptar certas causas”. O público-alvo principal, para João Cotrim Figueiredo, é a juventude, o que o levou a repetir a palavra três vezes seguidas, para dar mais força à sua ideia. “É surpreendente e quase chocante perceber que não há nenhum partido que possa dizer que escolheu estrategicamente a juventude com alvo”, apontou, considerando-o algo “bizarro”. Na sua perspectiva, as mensagens da Iniciativa Liberal “são todas elas úteis e relevantes para a juventude”, considerando haver nesta faixa de população “um espaço desocupado”.

Em relação às causas, Cotrim Figueiredo foi peremptório ao afirmar que algumas têm de ser dos liberais e não podem ficar só na esquerda. “A Iniciativa Liberal não pode estar fora do debate do ambiente e do debate sobre o inverno demográfico”, elencou.

Para o deputado único, é preciso “manter o que funcionou tão bem aqui”, como a irreverência e a criatividade, mas é preciso alterar aspectos da organização do partido “para as coisas funcionarem no terreno”. Com esse objectivo, explicou que a comissão executiva vai ter dois polos, um para tratar dos desafios partidários e outro para os desafios do Parlamento.

As prioridades para o mandato de dois anos que hoje se vai iniciar são “impostos mais baixos, mais simples e mais justos”, liberdade de escolha e a luta pela transparência e contra a corrupção, uma vez que esta última é, além de tudo, “um atentado primeiro à meritocracia e isso para um liberal não é aceitável”. A descentralização e a reforma do sistema eleitoral são outras das metas do partido.