EDP acusada de cortar ilegalmente mais de 100 sobreiros na serra do Caldeirão

O Instituto da Conservação da Natureza e Florestas embargou a obra. Árvores protegidas, algumas delas centenárias, foram abatidas ou cortadas. EDP diz que só houve corte de ramos

Foto

Mais de 100 sobreiros foram abatidos ou cortados na serra Caldeirão sem autorização do Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICNF). A operação, ordenada pela EDP, está a ser desenvolvida de forma “indiscriminada e sem fiscalização”, acusa o presidente da Associação de Produtores Florestais da Serra do Caldeirão, Gilberto Pereira, adiantando que, na última semana, a associação recebeu a queixa de 13 proprietários lesados. Os trabalhos foram embargados ontem pelo ICNF, mas os danos ambientais não são reparáveis. Árvores centenárias, protegidas por lei, ficaram reduzidas a troncos, sem hipótese de sobrevivência.