Uma fotografia de 1995 questiona Raquel Castro sobre quem é hoje

Em Turma de 95, no Teatro do Bairro Alto até 15 de Dezembro, a actriz e encenadora parte de uma fotografia de escola e confronta-se com o seu passado, ajudada pelos seus ex-colegas.

Foto
bruno simão

Em 1995, Raquel Castro frequentava o 9.º ano, no privado Colégio Salesiano de Lisboa. Talvez a conhecessem por Ana Silva, os seus primeiro e último nomes, que deixou cair em favor dos outros, os do meio, que sentia garantirem-lhe uma verdadeira identidade. Era uma rapariga de 14/15 anos de sorriso aberto e muito magra. Os colegas, de uma turma de 32 alunos (24 rapazes e oito raparigas), chamavam-lhe “cabide”, “tábua de engomar”, “esqueleto”. Nos intervalos, talvez para contrariar este foco constante no seu corpo, passou por vários períodos em que comprava sempre os mesmos bolos — passou pela fase bola de berlim, pela fase palmier coberto, pela fase pastel de nata.