Reportagem

Viagem ao mundo do azeite, o melhor amigo do fiel amigo

Não há mesa de Natal que dispense o que os árabes chamavam az-zait. Na Rota do Azeite da Beira Baixa desvenda-se por que lhe chamam “ouro líquido”.

Fotogaleria
Paulo Vinhas
Fotogaleria
Paulo Vinhas
Fotogaleria
Paulo Vinhas
Fotogaleria
Paulo Vinhas

O bacalhau e o azeite são como a família, indispensáveis no Natal. E se o primeiro é o “fiel amigo” dos portugueses, o segundo ainda é uma caixinha de surpresas. A maioria vê-o como um alimento. Ou como um tempero, o que é ainda mais redutor. A maioria desconhece a história e as propriedades do azeite, não sabe por que uma garrafa custa dois euros e outra custa 15, acha que tudo se resume ao grau de acidez, e que o virgem extra é sempre a melhor opção. Mas tal como a história dos usos do azeite, a realidade é tudo menos linear. E basta aproveitar uma das rotas turísticas do azeite que têm sido promovidas em Portugal para o comprovar.