Turismo de Portugal apoia primeira campanha para turistas LGBTI

Um vídeo marca o lançamento de Proudly Portugal, iniciativa da associação Variações destinada a atrair mais turistas LGBTI. “Estima-se que o país recebe, anualmente, cerca de dois milhões de hóspedes LGBTI”, segundo o Turismo de Portugal.

Foto
A campanha será apresentada em Janeiro, aquando da comemoração do segundo aniversário da Variações. DR

“Viajar para sentir” é o lema da primeira campanha para promover Portugal internacionalmente como destino turístico para a comunidade LGBTI. A inspiração chegou de Fernando Pessoa (via Álvaro de Campos), cujo verso “Afinal, a melhor maneira de viajar é sentir” serviu de mote à campanha, uma iniciativa da Variações ­ – Associação de Comércio e Turismo LGBTI de Portugal, que conta com o apoio do Turismo de Portugal. A apresentação oficial do projecto, para já lançado nas redes sociais e com um vídeo que já ultrapassou as 40 mil visualizações só no Facebook, acontece em Janeiro.

Inicialmente divulgada como uma iniciativa do Turismo de Portugal por vários media, a campanha, de facto, partiu da Variações, criada em 2018, como confirmou Diogo Vieira da Silva, director-executivo da associação, ao PÚBLICO. Esta quarta-feira, o próprio Turismo de Portugal lançou um comunicado para esclarecer as dúvidas: "Proudly Portugal é uma campanha da Associação Variações", lê-se na nota, onde também se confirma o apoio daquele organismo ao projecto.

Este, acrescentam, não integra apenas o vídeo e a campanha, sendo mais global: fazem parte “eventos de interesse para a comunidade LGBTI” (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Trans e Intersexo), a apresentação de “Portugal como um potencial destino para casamentos”, a promoção de “sinergias entre negócios LGBTI” ou a “ajuda aos negócios locais a adoptar uma linguagem e uma comunicação mais inclusivas”.

Mote geral: “apresentar e promover Portugal como destino de excelência no segmento". Os pormenores do esclarecimento do Turismo de Portugal, aliás, inserem-se na Estratégia Turismo 2027, um documento apresentado em 2017 que estabelece prioridades para o futuro e diversificação do turismo em Portugal e onde se por ler a directiva “Promover Portugal como destino LGBTI”.

Portugal, país inclusivo

O projecto Proudly Portugal surgiu precisamente na sequência do estabelecido nessa estratégia, como explicou Vieira da Silva ao PÚBLICO. O Turismo de Portugal indica ainda que a sua relação com a iniciativa inclui o apoio à “criação da plataforma Proudly Portugal, uma aplicação digital, vídeos promocionais, visitas de imprensa específicas e participação em feiras internacionais”.

O apoio, adiantam, insere-se na "estratégia de promoção do destino Portugal” de modo a “posicioná-lo como um país inclusivo, aberto e ligado ao mundo, que recebe bem todos quantos o visitam, independentemente da sua origem, condição, cultura, religião, identidade, género ou orientação sexual", sublinham, acrescentando que a “comunidade LGBTI não poderia estar ausente desta abordagem”. 

Para já, o vídeo que serve de lançamento da campanha, e que só no Facebook já atingiu mais de 40 mil visualizações, apresenta vários casais a passear por diferentes zonas de Portugal: Lisboa, Porto, Peniche, Faro, Loulé. Em breve, adianta Diogo Vieira da Silva, começarão a ser divulgados pequenos vídeos focados na história de cada casal. O objectivo é demarcar Portugal como um destino “cultural, uma experiência autêntica” para a comunidade.

Mais do que aliciar a uma visita a Portugal, a campanha quer inspirar à partilha de experiências em Portugal, sobretudo nas redes sociais. No site oficial do projecto Proudly Portugal, os visitantes são convidados a responder a um pequeno inquérito sobre a experiência em terras nacionais.

Para criar a campanha publicitária, a agência Kobu recorreu a turistas de mais de 60 países, às suas experiências em Portugal e à percepção com que ficaram do país. Vieira da Silva evoca um relatório das Nações Unidas, que concluiu que 10% dos turistas mundiais pertencem à comunidade LGBTI.  

País está entre os mais seguros

“Destinos com leis liberais, onde se sintam seguros e bem recebidos” é o que procuram estes turistas, sublinha o Turismo de Portugal, salientando que o país foi considerado o 3.º mais pacífico  do mundo no Global Peace Index. Além disso, foi considerado o Melhor Destino Turístico do Mundo nos World Travel Awards e, muito especialmente, "o destino mais gay friendly do mundo" pelo Spartacus International Gay Guide (há dias recebeu outra distinção como um dos mais seguros do mundo para a comunidade LGBTI no site de viagens Asher & Lyric).

“Portugal não é um mercado de massas, por isso, ainda é seguro”, comenta Vieira da Silva. Apesar disto, ainda este ano, a associação ILGA denunciava que, o clima social em Portugal ainda é homofóbico e transfóbico.

“Eventos e Festivais (como as marchas do orgulho e festivais de música), casamentos e viagens culturais” são as “principais motivações deste segmento” em termos de turismo internacional, assinala, por seu lado, o Turismo de Portugal.

O segmento LGBTI, segundo dados divulgados pelo Turismo de Portugal, é um dos “mercados de maior crescimento para Portugal”, com os EUA a serem um alvo de “particular atenção”. Dois exemplos: Portugal participou este ano na Proud Experiences, feira de turismo e lazer em Nova Iorque dedicada à comunidade, e passou a ser membro da IGLTA (International Gay and Lesbian Travel Association).

“Apesar de não existirem estudos específicos sobre este segmento em Portugal”, refere o Turismo de Portugal, “estima-se que o país recebe, anualmente, cerca de dois milhões de hóspedes LGBTI”.  

Texto editado por Luís J. Santos

Sugerir correcção