Crítica

A comunidade vai-se aguentando

De qualquer coisa banal e quase microscópica (um casal e uma criança) o filme constrói um retrato comunitário que diz, e mostra, muita coisa sobre como vivemos, todos, em Portugal, final da segunda década do século XXI.

Fotogaleria
Tempo Comum: um "corredor" entre "a casa e o mundo", sempre percorrido nos dois sentidos
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Terceiro filme longo de Susana Nobre, depois de O Que Pode um Rosto (filmado no IPO de Lisboa) e de Vida Activa (o desemprego a partir dos depoimentos de participantes no extinto programa das “Novas Oportunidades”), Tempo Comum precisa o interesse da realizadora pela observação da “vida normal”, do “tempo comum”, daquilo que marca e dá sentido a uma ideia de comunidade. A “situação extraordinária” aqui, mas afinal tão comum, é a chegada de um bebé a uma família. Não é apenas o tema da maternidade, embora o filme abunde em apontamentos sobre a experiência de uma mãe entre o fim da gravidez e as primeiras depois do parto. Mas há um pai, há uma família ou um projecto de família, há um quotidiano — dentro e fora de casa — que é inexoravelmente agitado pela chegada do recém-nascido, e isto é que é o centro do interesse de Tempo Comum.