Crianças com ligeira perda auditiva podem ter problemas de comportamento e fraco desempenho escolar

Investigadores holandeses focaram o seu estudo em crianças que tinham problemas para ouvir tons abaixo de 25 decibéis.

Os alunos com ligeira perda auditiva devem estar mais próximos do professor
Foto
Os alunos com ligeira perda auditiva devem estar mais próximos do professor Nelson Garrido/Arquivo

Crianças com ligeira perda auditiva podem ter resultados menos bons na escola e desenvolver problemas de comportamento, sugere um novo estudo holandês, da Universidade de Erasmus, publicado na JAMA Otorrinolaringologia - Cirurgia de Cabeça e Pescoço.

A deficiência auditiva considerada ligeira “pode ​​realmente estar associada ao desempenho e ao comportamento na escola”, escrevem os investigadores, depois de terem analisado 4779 crianças do ensino básico, nascidas entre 2002 e 2006, com ligeira perda auditiva — as que tinham perda moderada ou grave foram excluídas do estudo —; e feito inquéritos aos pais. Nestes, os encarregados de educação respondem que os filhos têm problemas comportamentais.

Entre os 9 e 11 anos, as crianças tiveram a sua audição verificada numa sala silenciosa. Um grupo mais pequeno fez um segundo exame, no qual foi testada a sua capacidade de ouvir uma fala num ambiente barulhento. O desempenho escolar e os problemas comportamentais pioraram à medida que a audição diminui, confirmaram os investigadores.

Embora o estudo não prove que a perda auditiva leve a piores problemas de desempenho e de comportamento académico, “gostaríamos de consciencializar que uma perda auditiva leve pode ter mais efeitos na vida diária das crianças do que se presume”, declara Carlijn le Clercq, o principal autor, por e-mail. “Crianças com leve perda auditiva devem ser sentadas mais à frente na sala de aula, junto ao professor. E para crianças que parecem ter problemas para acompanhar as aulas ou cuja atenção é limitada, deve ser considerado fazerem um teste auditivo”, recomenda.

Le Clercq e os colegas focaram o seu estudo em crianças que tinham problemas para ouvir tons abaixo de 25 decibéis. Por exemplo, o barulho das folhas de árvore secas é de, aproximadamente, 20 decibéis, exemplifica o autor. “Talvez não seja grande coisa se não conseguirmos ouvir o restolhar das folhas. No entanto, (para pessoas que não conseguem), quase toda a fala normal fica mais suave nos ouvidos. Portanto, não é difícil perceber que é preciso mais esforço para entender, especialmente se for assim o dia todo”, acrescenta o investigador.

O estudo “destaca o facto de que a perda auditiva, grave ou leve, pode afectar o comportamento e o desempenho escolar”, diz David Chi, chefe da divisão de otorrinolaringologia pediátrica do Hospital Infantil de Pittsburgh da UPMC, nos EUA. Pequenas deficiências auditivas podem ser suficientes para dificultar o discernimento das crianças, que não ouvem “certas palavras, quando há mais ruído de fundo na sala de aula”, ou o ruído pode vir de uma “conversa de colegas ou do som do sistema de aquecimento ou refrigeração”, exemplifica o médico que foi co-autor do editorial que acompanha a investigação holandesa.