Reportagem

A história da Albânia que nos chega pelo olhar dos Marubi

Uma visita ao museu nacional de fotografia Marubi, em Shkodër, mostra que embora em outras artes a Albânia tenha estado desfasada do que se fazia no resto do mundo, em relação à fotografia isso não aconteceu. A história de três gerações de fotógrafos, a dinastia Marubi, é também uma história de emigração e de desejo por serem modernos.

Fotogaleria
O retrato de Pietro Marubbi na exposição permanente do Marubi- Museu Nacional de Fotografia Dženana
Fotogaleria
Christian Richters
,Museu
Fotogaleria
Ao fundo, o retrato de Kel Marubi dr
Fotogaleria
Christian Richters
Fotogaleria
O espaço dedicado ao arquivo Marubi Christian Richters
Fotogaleria
A entrada do Marubi- Museu Nacional de Fotografia Christian Richters
Fotogaleria
, Dženana,Dženana
Fotografia
Fotogaleria
Giacinto Simini (1860), uma das fotografias manipuladas de Pietro Marubbi Pietro Marubbi/Marubi- Museu Nacional de Fotografia
Fotogaleria
A recriação do estúdio de Pietro Marubbi Christian Richters
Fotogaleria
Dženana
Fotogaleria
O arquivo com a fotografia de Gegë Marubi Dženana
Fotogaleria
Tea Çuni a contar a história destas três gerações de fotógrafos durante a visita ao museu Marubi Dženana
Fotogaleria
O exterior do Marubi, projecto do atelier holandês Casanova+Hernandez,O exterior do Marubi, projecto do atelier holandês Casanova+Hernandez Dženana,Dženana
Fotogaleria
A placa no exterior do museu Dženana
Fotogaleria
As escadas no interior do museu que foi recuperado e projectado pelo atelier o atelier holandês Casanova+Hernandez Dženana
Fotogaleria
Dženana
Fotogaleria
Dženana
Fotogaleria
Dženana

Numa das paredes da colecção permanente do Marubi – Museu Nacional de Fotografia, em Shkodër, na Albânia, está aquela que se pensa ser uma das primeiras fotografias que o imigrante italiano Pietro Marubbi (ou Pjetër Marubi) manipulou no seu estúdio albanês. “É provavelmente uma das primeiras collages”, diz o director do museu, Luçjan Bedeni, referindo-se a Giacinto Simini (1860), enquanto acompanha o grupo de jornalistas europeus numa visita guiada àquele que é o primeiro museu de fotografia do país, e um dos mais ricos dos Balcãs por causa do seu arquivo de mais de 500 mil negativos da segunda metade do século XIX até ao fim do século XX.