Opinião

Uma proposta que nunca deveria ver a luz do dia

A despesa associada a esta nova operação com o Novo Banco deve ser submetida à apreciação e aprovada (ou não) na Assembleia da República.

De acordo com o Expresso de 16 de Novembro está a ser equacionada uma “última” injecção de capital no Novo Banco, num montante próximo de 2 mil milhões de euros (mil M€), que anteciparia os pagamentos parciais possíveis até 2026, no âmbito da garantia contingente oferecida pelo Estado no contexto da privatização do banco em 2017. O Presidente da República, na semana passada, deu a entender que essa operação ocorreria até ao final do ano.