Roteiro dos Museus do Algarve só foi publicado em português por falta de dinheiro para traduções

No Museu do Traje de São Brás de Alportel os utilizadores estão a reconstruir a história dos primos e parentes, a partir de fotografias antigas. A recolha, feita por voluntários, já soma mais de 60 mil imagens, de 600 famílias.

Foto
Museu de São Brás de Alportel Rui Gaudêncio

A região algarvia possui um museu que se diz regional, mas o seu alcance esgota-se numa exposição etnográfica concebida à imagem e semelhança da política cultural do Estado Novo, na década de 1960. Situa-se no rés-do-chão do edifício da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR). No plano da contemporaneidade, os profissionais que trabalham na área – através da Rede de Museus do Algarve (RMA) – lançaram a edição digital do Guia dos Museus do Algarve, mas apenas em português: “Faltou o financiamento [cerca de cinco mil euros] para as traduções”, lamenta o director do Museu de São Brás de Alportel, Emanuel Sancho, um dos coordenadores da rede, criada há 12 anos, para quebrar laços centralistas e dinamizar a oferta cultural regional

O roteiro, em formato ebook, com 81 páginas, dá a conhecer o espólio de mais de duas dezenas de estruturas museológicas. “Mostra-se aspectos da história da região, que se completam pela diversidade”, salienta Emanuel Sancho, destacando a relevância da primeira iniciativa – a exposição Do Reino do Algarve à região: mil anos de história e cultura algarvia, realizada em 2010. No passado mês de Fevereiro, surgiu, então, uma nova tentativa de mexer com os poderes regionais. As expectativas saíram goradas. O guia está ainda por traduzir para inglês, francês, espanhol e alemão, como estava previsto. “Fizeram-se reuniões, houve promessas da parte da Região de Turismo do Algarve (RTA), mas não se concretizaram”, justificou Emanuel Sancho. O custo, 4 360 euros, mais IVA, não teve cabimento.

Da mesma forma, a versão em suporte papel, que também chegou a ser equacionada, não avançou. O presidente da RTA, João Fernandes, questionado pelo PÚBLICO, desculpa-se: “Não apresentaram uma proposta concreta.” Ao mesmo tempo, com o objectivo de atrair mais visitantes na época baixa, decorre o Programa 365 Algarve – apoiado pelos ministérios da Economia e da Cultura, com 1,5 milhões de euros – para realizar 400 eventos culturais e de animação até ao mês do Maio. “Apoiam-se eventos momentâneos, prontos a sair, não os projectos duradores e que exigem maturidade”, lamenta Emanuel Sancho. A componente económica do turismo, prossegue, “está a impor uma série de regras [à cultura] e nota-se uma certa subserviência”.

PÚBLICO -
Foto
Emanuel Sancho, director do Museu de São Brás de Alportel Rui Gaudêncio

O Museu do Traje de São Brás de Alportel recebe mais de 20 mil visitantes/ano, num concelho de interior com cerca de 10 500 habitantes. Emanuel Sancho destaca o papel social que este equipamento desempenha, numa sociedade multicultural. “Por cada turista, temos seis utilizadores locais”, sublinha. O museu, propriedade da Santa Casa da Misericórdia, funciona como referência da vida da comunidade, a par do centro de saúde, posto dos Correios e outras instituições. “As pessoas fazem do museu a segunda casa.”

A dinamização do espaço é feita por 30 clubes, organizados em grupos de trabalho, desenvolvendo artes que se estendem da música ao artesanato, passando pelo teatro e o fado. As primeiras iniciativas partiram da comunidade dos estrangeiros residentes, com a realização de conferências, concertos e aulas de aprendizagem da língua portuguesa. O projecto, considerado emblemático, do envolvimento social da população, é o “clube da fotografia”. Todas as quintas-feiras repete-se o ritual. Emanuel Sancho abre a porta do gabinete para uma sessão de trabalho com os voluntários, na descoberta das ligações familiares, com muitos primos que emigraram para a Argentina e Brasil. O espaço, de repente, transforma-se num livro aberto de memórias, que vão se desenrolando durante três horas – o tempo que leva a sessão de identificação dos retratos antigos.

“Às vezes, são mais de 30 pessoas, e temos de mudar de sala”, observa. O arquivo digital já reúne retratos de de 600 famílias, com mais de 60 mil imagens, oferecidas ao museu. “Os museus continuam a ser focos de cultura fundamentais, mas estão subvalorizados”, reafirma Emanuel Sancho, fazendo a comparação com os apoios que são concedidos aos efémeros eventos culturais para o turista ver. São Brás de Alportel tornou-se num caso de estudo, pela empatia criada na comunidade. “Vêm cá estrangeiros, passam temporadas para estudar o envolvimento da população nesta obra colectiva”, enfatiza. Sobre o trabalho de campo na recolha das fotografias simplifica: “Sou apenas o moderador. Eles [os habitantes] é que andam de monte em monte a pedir os retratos dos parentes.”

Neste museu, aberto em 1986, cruzam-se as experiências entre estrangeiros e portugueses, integrados na mesma comunidade. Um ou dois exemplos: a acordeonista do grupo de música popular ucraniana, agora toca no grupo português “veredas da memória”. O flautista do grupo de jazz, inglês, entretanto, também mudou de clube: passou a tocar modinhas portuguesas. No concelho, estima o município, a comunidade de estrangeiros residentes representa mais de 10 % da população.

PÚBLICO - Museu do Traje de São Brás de Alportel
Museu do Traje de São Brás de Alportel Rui Gaudêncio
PÚBLICO - Museu do Traje de São Brás de Alportel
Museu do Traje de São Brás de Alportel Rui Gaudêncio
PÚBLICO - Museu do Traje de São Brás de Alportel
Museu do Traje de São Brás de Alportel Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio

Escravatura na serra

No passado dia 18 de Novembro, realizaram-se as III Jornadas da RMA-Rede Museus do Algarve, em Albufeira, para discutir, entre outros temas, as “novas realidades patrimoniais e culturais”, tendo em vista os impactos da revolução tecnologia e digital. “Nós pomos em dúvida se vale a pena um museu regional”, observa Emanuel Sancho. O museu regional do Algarve, aparentemente, ficou parado no tempo.

O director do Museu de Portimão, José Gameiro, também coordenador da RMA, afirma, criticando o centralismo: “No Sul, o último museu nacional [ tutelado pelo ministério da Cultura], parou em Évora. O resto ficou a cargo dos municípios. No total existem mais de duas dezenas de estruturas museológicas, sem que haja um museu de arte contemporânea. A criação da RMA, diz Gameiro, “funciona como uma plataforma, informal, que aproxima e incentiva à criação de propostas colectivas”.

A próxima exposição colectiva que está a ser preparada pela rede aborda as questões relacionados com o mar, em diferentes perspectivas. Como é que um concelho do interior, como São Brás de Alportel, pode participar numa exposição sobre o mar? “Eu encontrei assuntos que ligam o interioridade ao mar”, responde Emanuel Sancho. E revela: “Temos uma lista de quase duzentas pessoas africanas, escravos.” Por isso, não estranhou quando, recentemente, lhe foram oferecer “três grilhetas [correntes de ferro], encontradas num estábulo”. “As correntes não se destinavam a prender animais, mas sim pessoas.”