Árvore portuguesa de 2020 é o castanheiro de Vales

Este castanheiro, uma das árvores mais grossas de Portugal, tem 21 metros e um perímetro de tronco de 14 metros.

Fotogaleria
Este castanheiro representará Portugal no concurso Árvore Europeia do Ano Raquel Lopes
Fotogaleria
Este castanheiro fica numa propriedade privada em Vales, em Vila Pouca de Aguiar Raquel Lopes

A árvore portuguesa de 2020 é o castanheiro de Vales, em Tresminas, no concelho de Vila Pouca de Aguiar. Com cerca de mil anos, tem 21 metros e um perímetro de tronco de 14 metros. Com 1848 votos, este castanheiro (Castanea sativa) venceu a votação online Árvore do Ano 2020 e representará Portugal no concurso Árvore Europeia do Ano.

Por ordem decrescente na votação online, ficou a oliveira do Mouchão, em Abrantes (com 1493 votos), a canfoeira de Bencanta, em Coimbra (com 1250 votos), seguidas da azinheira das Furnas (na ilha de São Miguel), o carvalho de Calvos (Póvoa do Lanhoso), um carvalho de Viseu, um pinheiro bravo designado “prior de Tibães” (de Braga), um metrosidero e um bordo-do-japão do Jardim Botânico do Porto, a oliveira de Pedras D’El Rey (em Tavira) e um híbrido entre as espécies Quercus faginea e Quercus robur do Instituto Superior de Agronomia (em Lisboa).

O castanheiro de Vales é uma árvore majestosa e milenar, localizada em propriedade privada, por onde se chega atravessando paisagens agrícolas e florestas de encantar”, refere-se num comunicado da União da Floresta Mediterrânica – UNAC, que organizou o concurso. Refere-se ainda que, como está num terreno privado, o seu proprietário convida todos os que por lá passam a entrar nesse terreno. “Trata-se de uma das mais grossas árvores do nosso país, cuja cavidade do tronco guarda muitas histórias do tempo em que o castanheiro era o ponto de referência das brincadeiras das crianças.”

Raquel Lopes foi quem propôs este castanheiro a Árvore do Ano de 2020. A professora de biologia no ensino secundário está a fazer um doutoramento em comunicação de ciência na área das árvores monumentais e acabou por candidatar nove árvores a este concurso. Juntamente com o castanheiro, passaram à selecção das dez árvores que estiveram em votação a canforeira, o carvalho de Viseu e a oliveira de Pedras D’El Rey.

Agora recorda quando foi a Vales e viu este castanheiro pela primeira vez. “Na altura, fui encontrando algumas pessoas que me foram indicando o caminho”, relata. “A propriedade está vedada, tem um portão e pensei que não podia entrar porque é propriedade privada. Mas, a trabalhar no terreno anexo estava um agricultor que me disse: ‘Pode entrar à vontade. O proprietário tem sempre o portão aberto para quem queira conhecer a árvore.’” Foi então que testemunhou que o esta era uma “árvore notável”: “Destaca-se no parâmetro das árvores autóctones portuguesas.”

Foto
A árvore tem 21 metros de altura Raquel Lopes

Destaca ainda a estima que o seu proprietário, Fernando Marques (como indica na história que escreveu sobre o castanheiro) lhe tem dedicado. “É um exemplo”, frisa. Aliás, Raquel Lopes refere que este reconhecimento deve ser uma chamada de atenção para a situação dos castanheiros. “Muitos destes antigos castanheiros estão a morrer e há poucas árvores com esta idade que restam na nossa floresta.”

Mas, tanto o castanheiro – que está classificado como arvoredo de interesse público – como outras árvores deste concurso, têm um simbolismo: “São árvores identitárias de uma comunidade. Toda a gente sabia onde se localizava aquele castanheiro, o que diz muito da memória colectiva daquela população.”

À rádio Renascença, Duarte Marques, da família a que pertence o castanheiro, mostrou-se orgulhoso pelo reconhecimento. “O castanheiro está num souto e sofreu alguns trabalhos de melhoria, de protecção e valorização dado o adiantado da idade”, disse, referindo que todos os que quiserem podem visitar esta árvore.

Em 2018, a árvore portuguesa foi o Sobreiro Assobiador da aldeia de Águas de Moura (no concelho de Palmela), que acabou por ficar em primeiro lugar no concurso Árvore Europeia do Ano. Já em 2019 a escolha foi a Azinheira Secular do Monte do Barbeiro, que fica a cerca de sete quilómetros da aldeia de Alcaria Ruiva no concelho de Mértola, que ficou em terceiro lugar no concurso europeu.

Em Fevereiro de 2020, abrirá a votação online para a escolha da Árvore Europeia do Ano. O castanheiro de Vales estará aí em votação.