O Mira dá um abraço a José Mário Brandão

Com as galerias Nasoni, Atlântica, Canvas e Graça Brandão, marcou a cena artística do Porto e de Lisboa (e também do Brasil) nas últimas três décadas. Uma exposição no Porto homenageia-o “porque ele está vivo, e continua cheio de projectos”.

Fotogaleria
José Mário Brandão DR
Fotogaleria
José Mário Brandão Manuela Matos Monteiro
Fotogaleria
José Mário Brandão cumpriu o serviço militar em Angola DR
Preto M
Fotogaleria
José Mário Brandão, actor do Teatro Experimental, do Porto, na peça O Cavalinho Azul, de Maria Clara Machado DR
Fotogaleria
José Mário Brandão com Lygia Pape DR
Fotogaleria
Uma trupe de teatro, entre a qual se encontram Lia Gama, António Feio e José Pedro Gomes DR
Fotogaleria
Ângelo de Sousa e a sua mulher DR
Fotogaleria
Albuquerque Mendes DR
Fotogaleria
João Penalva DR
Fotogaleria
Pedro Cabrita Reis DR

“Mas eu não estou morto!”. Foi com esta exclamação que José Mário Brandão (n. Oliveira de Azeméis, 1946) reagiu à proposta que lhe foi feita antes do Verão pelo curador José Maia e pela direcção do Espaço Mira, no Porto, de uma exposição de homenagem a este galerista que vem agitando e marcando a cena das artes plásticas em Portugal desde meados da década de 1980.