Activistas vestiram-se de ratinhos para protestar contra testes em animais

Reuters/LIM HUEY TENG
Fotogaleria
Reuters/LIM HUEY TENG

Vestidos de ratinhos, enfiados dentro de jaulas: foi assim que activistas da PETA protestaram, esta quinta-feira, 28 de Novembro, contra o uso de animais em testes da Ajinomoto. O protesto aconteceu em Kuala Lumpur, em frente às instalações da empresa de produtos alimentares — que é japonesa, mas também opera na Malásia —, mas não foi o primeiro: no início de Novembro, um protesto semelhante aconteceu em frente às instalações da mesma empresa, mas na sede do Japão.

A organização não-governamental acusa a empresa de "abrir os estômagos de cães para enfiar tubos", "deixá-los à fome durante 18 horas", "alimentá-los com uma 'dieta líquida' de glutamato e aminoácidos" e "injectá-los com drogas". No site, a PETA refere ainda testes com coelhos, onde os animais eram igualmente "deixados à fome", "alimentados com aminoácidos" e, posteriormente, mortos e dissecados. "A empresa também levou a cabo experiências onde os nervos dos ratinhos foram cortados, forçados a correr ou nadar, deixados à fome, injectados com diversas drogas ou electrocutados", lê-se ainda. 

Recentemente, foi também divulgado um vídeo que mostrava macacos, cães e gatos a sofrerem diversas agressões num laboratório alemão. Os testes, considerados "eticamente insuportáveis", levaram activistas a pedir o encerramento do laboratório. 

Reuters/LIM HUEY TENG
Reuters/LIM HUEY TENG
Reuters/LIM HUEY TENG
Reuters/LIM HUEY TENG
EPA/FAZRY ISMAIL
EPA/FAZRY ISMAIL
EPA/FAZRY ISMAIL
EPA/FAZRY ISMAIL
EPA/FAZRY ISMAIL
EPA/FAZRY ISMAIL
EPA/FAZRY ISMAIL
EPA/FAZRY ISMAIL
EPA/FAZRY ISMAIL
EPA/FAZRY ISMAIL
Sugerir correcção