O maior orçamento de sempre da ESA vai levar-nos à Lua e a explorar o Atlântico

Para que servirá o novo orçamento da Agência Espacial Europeia? Para criar um observatório espacial de ondas gravitacionais ou uma constelação de satélites no Atlântico em que Portugal participará.

Foto
A plataforma Gateway com a cápsula Orion em órbita da Lua ESA

Durante dois dias, o financiamento da Agência Espacial Europeia (ESA) esteve em jogo em Sevilha. Para mostrar a importância do aumento da contribuição dos Estados-membros da agência, na quarta-feira Johann-Dietrich Wörner – o seu director-geral – mostrou aos ministros e outros representantes no Conselho Ministerial da ESA a Terra circundada por satélites e astronautas na Lua. Na quinta-feira, o financiamento total da ESA acabou por subir dos 10.700 milhões de euros (acordados em 2016) para os 12.500 milhões nos próximos três anos e para 14.400 milhões nos próximos cinco anos. De acordo com a ESA, este é o “o maior orçamento de todos os tempos”. Confirmou-se o aumento da contribuição portuguesa de cerca de 73 milhões de euros para cerca de 102 milhões nos próximos cinco anos.

“Celebrar o futuro é bom, mas agora o mais importante é preparar o futuro”, salientou Johann-Dietrich Wörner na sessão inicial. Aí, o director-geral introduziu como elemento-chave nesta equação “os sonhos dos cidadãos” europeus. Para isso, mostrou um vídeo com sonhos de crianças e adolescentes. Logo o primeiro foi precisamente o de Margarida, uma menina portuguesa que tinha como fundo um campo com vacas, algumas árvores e que disse: “O meu sonho espacial é que no espaço encontrassem mais tecnologia para melhorar a nossa vida porque vivo num sítio com muito pouca água.” Mas não foi a única, já num outro ambiente (talvez na secretária dos seus quartos), um adolescente de Espanha pediu que o lixo espacial fosse removido e outra da Alemanha apelou à ida a Marte.

Para lá dos sonhos, Johann-Dietrich Wörner falou da futura realidade das missões científicas. “As pessoas adoram saber o que está a acontecer no Universo e querem saber mais sobre os buracos negros, as ondas gravitacionais e os exoplanetas”, referiu, acrescentando que tudo isto faz parte do programa obrigatório da ESA que todos os 22 Estados-membros têm de contribuir. A parte que vai directamente para a ciência teve “um aumento significativo”, subindo para 1671 milhões de euros nos próximos cinco anos. Nesse sentido, está a ser desenvolvido o LISA, o primeiro detector espacial de ondas gravitacionais, que se espera que seja lançado em 2034. Já a Athena, uma missão para explorar buracos negros, será lançada por volta de 2031.

Foto
A ESA tem uma missão para buracos negros DR

Primeiro europeu na Lua?

Quanto à exploração humana e robótica do espaço – que terá 1953 milhões para os cinco anos –, o director-geral da ESA apontou três destinos: a órbita da Terra, a Lua e Marte. Como tal, salientou a contribuição da ESA na plataforma Gateway, uma estação em órbita da Lua que será a base de apoio de robôs e astronautas na exploração do nosso satélite natural. Além disso, salientou que o módulo europeu fará parte do foguetão pesado SLS (da NASA). “Quando os norte-americanos forem à Lua em 2024, vão juntamente com os europeus, porque o módulo faz parte do programa da ESA e foi desenvolvido na Europa”, disse. Esta colaboração acaba por ser um bilhete de viagem da Europa à Lua: “Podemos vir a levar europeus à Lua.”

Marte também não foi esquecido. Por agora, a ambição da ESA passa por desenvolver uma missão a lançar por volta de 2026, a Mars Sample Return. O robô desta missão procurará as amostras da superfície de Marte já recolhidas por outro robô norte-americano. Depois, colocá-las-á num grande recipiente que chegará à Terra num veículo espacial.

Incluído nos programas opcionais que cada país decide se quer contribuir, o lixo espacial está entre as contribuições que acabaram por ter mais financiamento do que o que tinha sido proposto pela ESA. “Estou positivamente surpreendido”, disse Johann-Dietrich Wörner. Hoje, estima-se que haja cerca de 900 mil pedaços de lixo maiores do que um centímetro, incluindo muitos satélites “mortos”. A ESA planeia uma missão – a ADRIOS – para detectar e limpar o lixo espacial.

Boa posição dos Açores

Johann-Dietrich Wörner salientou ainda a importância dos programas de observação da Terra – onde se inclui o programa Copérnico e que tem 2541 milhões de euros para cinco anos –, de navegação ou de telecomunicações e de como podem ser essenciais para enfrentar problemas como as alterações climáticas, os conflitos na Terra, a escassez de recursos e outros associados à energia.

Dentro dos programas opcionais, a observação da Terra foi onde Portugal fez a sua maior contribuição com 15 milhões de euros. Afinal, o país quer fazer parte de uma constelação de satélites para observação dos oceanos e mares da Europa. Se Portugal irá liderar a parte do Atlântico, a Alemanha e os países nórdicos serão responsáveis pelo mar Báltico. Já Itália, França e a Grécia ficarão encarregues do Mediterrâneo.

“O espaço surge hoje como uma oportunidade para ocuparmos o Atlântico, isto é, sabermos tudo o que se passa em todos os centímetros e metros de profundidade como uma boa resolução espacial”, assinalou aos jornalistas Manuel Heitor, ministro da Ciência, que organizou os trabalhos no Conselho Ministerial da ESA. Afinal, Portugal assumiu a co-presidência com França do conselho e assim se manterá nos próximos três anos.

Manuel Heitor afirmou ainda que há a possibilidade de os pequenos satélites desta constelação virem a ser lançados do futuro porto espacial de Santa Maria, nos Açores. “O nosso objectivo é o de completar o grande porto da ESA na Guiana Francesa com vários pequenos portos na Europa”, afirmou, indicando que a Escócia, a Suécia e a Noruega também estão a discutir a possibilidade de criarem um porto espacial para pequenos satélites. “Tem havido uma grande apetência pelos Açores porque é aquele que tem uma maior abertura de rotas e órbitas. É uma competição que se desenrolará nos próximos meses.”

Já o director-geral da ESA assumiu que este é um porto “importante para a Europa e para Portugal”: “Os Açores têm uma localização muito específica e é um excelente sítio para o porto espacial. Está em muito boa posição na competição.”

Mas as ambições de Portugal no espaço não se ficam por aqui. O ministro da Ciência destaca a importância do Space Rider, um futuro veículo laboratório espacial para experiências em microgravidade que poderá vir a aterrar nos Açores. “Com isso desenvolveremos também capacidades na indústria farmacêutica”, exemplificou.

Foto
Ministros europeus que estiveram presentes no Conselho Ministerial da ESA DR

Manuel Heitor diz que houve um ambiente “saudável e amistoso” neste encontro. “Houve um grande espírito de solidariedade. A competição não é entre os vários países, mas é da Europa no seu todo com os Estados Unidos e a China, que estão a fazer investimentos brutais no espaço.” Por isso, salientou que deve existir uma melhor articulação entre os investimentos da ESA, do financiamento privado, da Comissão Europeia. “Portugal vai ter de assumir o papel de articular os programas da ESA com o futuro programa europeu para o espaço, os programas da defesa europeus e o programa de investigação e inovação, o Horizonte Europa”, refere sobre o papel do país durante a sua co-presidência.

Mesmo assim, salienta que a ESA é uma instituição intergovernamental independente e autónoma, o que fez com que o Reino Unido (num processo de saída da União Europeia) contribuísse com 1655 milhões de euros no orçamento (11,5% dos 14.400 milhões). Já a Alemanha financia 22,9% e a França 18,5% do orçamento para cinco anos.

O PÚBLICO viajou a convite da Agência Espacial Portuguesa