Em actualização

Domingos Simões e Umaro Sissoco na segunda volta das presidenciais na Guiné-Bissau

Dois antigos primeiros-ministros vão defrontar-se na segunda volta das eleições. Outro antigo chefe de Governo, Carlos Gomes Júnior, foi afastado, assim como o actual Presidente, José Mário Vaz.

Foto
Domingos Simões Pereira surge destacado na primeira volta das presidenciais guineenses CHRISTOPHE VAN DER PERRE/Reuters

A segunda volta das eleições presidenciais na Guiné-Bissau vai ser disputada entre Domingos Simões Pereira, do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), que teve 40,13% na primeira volta, e Umaro Sissoco Embaló, apoiado pelo Movimento para a Alternância Democrática (MADEM-G15), que obteve 27,65%, anunciou a Comissão Nacional de Eleições em Bissau.

Nenhum dos candidatos conseguiu, como já era esperado, mais de 50% dos votos e há nova votação a 29 de Dezembro.

O Presidente em funções, José Mário Vaz – que protagonizou um mandato marcado pelo confronto constante com o PAIGC de Domingos Simões Pereira, com uma série de governos de iniciativa presidencial – foi afastado da corrida, conseguindo apenas 12,41% e ficando em quarto lugar nas eleições de domingo passado. Também o antigo primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior ficou pelo caminho, com cerca de 2%.

Para o investigador e especialista em cooperação Carlos Sangreman, “o resultado mostra claramente a derrota do modelo anterior e o anseio por estabilidade” dos eleitores guineenses. O politólogo guineense Rui Landim foi mesmo mais longe, considerando à emissora alemã Deutsche Welle que esta “punição severa” a José Mário Vaz é o resultado de “um mandato catastrófico, que destruiu o país em todos os sentidos”.

Foi a primeira vez que um Presidente candidato à reeleição não a conseguiu, nota por seu lado o sociólogo Miguel de Barros no Twitter.

José Mário Vaz “não vai ter outro remédio que não aceitar” os resultados, disse Carlos Sangreman numa conversa telefónica com o PÚBLICO. “Se tivesse havido um resultado mais próximo poderia haver uma tentação de contestar”, mas não com uma diferença tão grande.

A porta-voz da Comissão Nacional de Eleições, Felisberta Moura Vaz, disse à emissora alemã Deutsche Welle que a comissão não recebeu qualquer contestação de nenhum dos 12 candidatos. A haver alguma, esta deveria ter sido feita antes da divulgação dos resultados.

A incógnita desta votação era o segundo lugar: Umaro Sissoco Embaló, que vem de uma dissidência do PAIGC e tem mais atenção aos interesses empresariais (e uma tónica na economia em detrimento de mais empenho no desenvolvimento social), acabou por ser o segundo classificado.

Umaro Sissoco Embaló propôs, durante a campanha, um pacto entre candidatos na segunda volta para derrotar Domingos Simões Pereira, mas não é de momento claro o que vão decidir os candidatos e os partidos que os apoiam.

O primeiro a reagir publicamente foi Domingos Simões Pereira, que cumprimentou o adversário e disse esperar que Umaro Sissoco Embaló esteja à altura dos desafios do país. Avisou que, na campanha para a segunda volta, não serão tolerados discursos de divisão dos guineenses: “Serão atacados judicial e politicamente”.

Simões Pereira prometeu ainda que, se for eleito Presidente, não fará Justiça “com as próprias mãos”. “O meu coração não está tingido de nada disso. Eu farei apelo à concórdia e ao perdão e a criar condições para que todos os cidadãos guineenses possam viver na Guiné-Bissau e usufruir daquilo que o nosso país nos pode oferecer”, afirmou.

Umaro Sissoco Embaló agradeceu ao “povo guineense” pela confiança na sua candidatura, mas, em jeito de pré-campanha, faz já várias acusações ao adversário. Num comunicado a que a DW África teve acesso, acusa o PAIGC e Domingos Simões Pereira de terem intenções de “amordaçar as liberdades essenciais dos cidadãos, com o objectivo de instalar um regime absolutista, revanchista e ditatorial na Guiné-Bissau”. Diz ainda que “os valores da unidade nacional, da tolerância e da solidariedade que caracterizam os guineenses estão em perigo perante uma candidatura alicerçada pelo ódio monumental e sentimentos de vingança contra os seus opositores democráticos e certas franjas da sociedade”.

Apela a “uma ampla coligação de salvação da Guiné-Bissau do descalabro, unindo esforços” à volta da sua candidatura. 

“Efeito vencedor”

Ao PÚBLICO, Carlos Sangreman nota que a vantagem está neste momento do lado de Domingos Simões Pereira. Primeiro, porque quem fica à frente na primeira volta parte com uma boa dinâmica: “Em todas as eleições para a presidência na Guiné-Bissau houve sempre uma segunda volta, e na segunda volta venceu sempre o candidato que foi o mais votado na primeira volta”, nota. Há uma espécie de “efeito vencedor”.

Mais, Domingos Simões Pereira é ainda o candidato que tem a maior e melhor máquina partidária.

Sangreman nota que à partida podia bastar ao candidato do PAIGC o apoio do terceiro mais votado, Nuno Gomes Nabian (13%). Mas também diz que “como em qualquer sítio do mundo, o apoio dos candidatos não se traduz numa transferência de votos automática”. Nabian deixou esta quarta-feira em aberto poderá apoiar.

Por outro lado, como ponto positivo, o investigador diz que o fantasma de ter havido na primeira volta 12 candidatos, o que podia levar a uma grande divisão, não se verificou. “Os votos concentraram-se em 3-5 pessoas, os outros tiveram votações residuais.”