Opinião

O erro da escolha de Joacine pelo Livre

Esta arrogância chega ao seu limite máximo quando Joacine argumenta que ganhou as eleições sozinha e que não aceita que a direção a ensine a ser política.

Eleições legislativas portuguesas de 2019
Foto
daniel rocha

Há sensivelmente um mês como deputada, Joacine Katar Moreira tem despertado uma enorme atenção mediática e sido alvo também de muitas críticas, quer por causa da sua gaguez (de que não vou falar aqui), quer, mais recentemente, devido à forma como tem votado no Parlamento e representado o partido Livre, pelo qual foi eleita.

Na realidade, as preocupações que a direção do Livre demonstrou, num comunicado oficial, com a abstenção de Joacine relativamente ao voto de condenação à agressão israelita a Gaza, e a resposta de Joacine às mesmas, revelam uma grande distância entre Joacine e o partido pelo qual foi eleita. O que quero salientar aqui é que me parece estranho que esta questão só surja agora e não tenha surgido antes, designadamente por ocasião das eleições primárias, ou durante a campanha eleitoral. Efetivamente, o Livre, através dos seus membros e apoiantes, teve de conferir um aval (declaração de confiança política) aos candidatos e apenas aqueles que obtiveram um mínimo de 10 avais passaram à segunda fase do processo de primária.

Parece-me algo estranho que o modo como Joacine tem construído a sua narrativa política de forma arrogante e centrada em si mesma e parecendo alinhar com uma política identitária exclusivista ou tribalista, não tenha sido previsto mais cedo. Esta arrogância chega ao seu limite máximo quando Joacine argumenta que ganhou as eleições sozinha e que não aceita que a direção a ensine a ser política.

É no mínimo estranho o partido ter de lembrar à sua deputada os princípios e programa eleitoral do LIVRE, pautados designadamente pelo universalismo e em que a ideia de convergência à esquerda é chave. O Livre decidirá se irá manter a confiança política na deputada, mas é um pouco tarde para evitar os estragos já feitos. A título de exemplo, ontem uma amiga minha perguntava-me se o Livre se situava à esquerda ou à direita, naturalmente confusa com as votações de Joacine.

Mas o Livre não está isento de responsabilidades, na medida em que avalizou a candidatura de Joacine e a elegeu nas primárias como cabeça de lista por Lisboa. Esta situação deveria servir de oportunidade para o Livre se questionar acerca dos critérios que estabeleceu para o voto de confiança dado previamente a Joacine e a sua escolha nas primárias. É provável que tenha havido uma certa idealização do percurso ativista de Joacine em prol dos direitos das minorias étnicas e das mulheres.

E este é um problema que não é apenas do Livre, mas de uma certa esquerda ‘tribalista’ que é incapaz de perceber como as políticas identitárias podem ser utilizadas de modo inclusivo ou, pelo contrário, de modo exclusivista, ou seja, de que a defesa dos grupos sociais mais vulneráveis pode também ser usada para marginalizar e oprimir outros grupos sociais ao valorizar uma identidade em relação a outras. Estas políticas identitárias exclusivistas tendem a criar divisões sociais entre ‘oprimidos’ e ‘privilegiados’ com base num reforço de identidades baseadas no género, etnia ou orientação sexual, descurando outros fatores da desigualdade social e acusando quem discorda destas posições de racismo.

Quando Joacine evita o diálogo com o próprio partido e acusa quem discorda das suas posições de ser de extrema-direita, não está a defender a liberdade, que é aliás parte integrante dos princípios e programa político do Livre, nomeadamente a liberdade de expressão. Está, pelo contrário, a preconizar uma política identitária tribalista, que se tem revelado como uma tendência global de uma certa esquerda mais extremista e que cria divisões sociais em vez de procurar convergências, além de se dirigir apenas a determinados grupos sociais, colocando-se de certa forma até contra os outros grupos.

Esta narrativa política dá a impressão que Joacine pretende representar-se a ela própria e substituir a agenda política do Livre pela sua, uma agenda que parece ser estritamente focada nas questões do racismo e do feminismo, descurando todas as outras questões sociais e políticas que são debatidas na Assembleia da República e caras ao Livre. As atitudes de Joacine demonstram um egocentrismo, personalismo e arrogância extremas que não me parecem compatíveis com as responsabilidades de um(a) deputado(a).

Nota: Em 2015, a autora foi candidata pelo Porto à Assembleia da República pelo Livre/Tempo de Avançar.