Em 2019, morreu mais de uma pessoa por dia nas estradas. Parlamento manifesta pesar

O Dia Mundial em Memória das Vítimas da Estrada assinalou-se este ano a 17 de Novembro. Desde o início do ano, houve 1966 feridos graves e 36.544 feridos ligeiros.

Foto
André Rodrigues

O Parlamento aprovou esta sexta-feira, por unanimidade, um voto de pesar apresentado pelo presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, pelas vítimas da estrada. Desde o início do ano até ao dia 15 de Novembro morreram 416 pessoas, mais do que uma morte por dia em média.

O texto recorda que o Dia Mundial em Memória das Vítimas da Estrada, que tem como objectivo a evocação pública das vítimas de acidentes de trânsito e suas famílias, foi, este ano, assinalado a 17 de Novembro, em Évora, sob o tema “A vida não é uma peça de automóvel”.

“Apesar dos esforços no sentido da diminuição da sinistralidade rodoviária, com a renovação das vias rodoviárias, a actualização do parque automóvel e a melhoria da resposta da emergência médica, o número de vítimas é ainda intolerável: de 1 de Janeiro a 15 de Novembro deste ano [318 dias], registaram-se 416 vítimas mortais, 1966 feridos graves e 36.544 feridos ligeiros”, refere o voto apresentado por Ferro Rodrigues.

O presidente da Assembleia da República considera que estes indicadores, “com a devastação emocional e económica que lhe está subjacente, impõem de todos — órgãos de soberania, autoridade nacionais e população em geral — um redobrar de esforços nas medidas de combate e prevenção deste flagelo nacional”.

“A Assembleia da República presta a sua homenagem às vítimas da estrada, manifesta a sua solidariedade às respectivas famílias e reconhece o contributo das forças de segurança, das equipas de emergência e dos restantes profissionais de saúde que diariamente lidam com esta trágica realidade”, lê-se na parte resolutiva do voto, aprovada por unanimidade.