Vereadora do PS da Câmara de Gaia renuncia aos pelouros mas cumpre mandato até ao fim

Elisa Cidade fala em motivos pessoais e câmara diz que vereadora irá fazer uma tese de doutoramento.

Elisa Cidade vai manter-se como número dois da concelhia do PS-Gaia
Foto
Elisa Cidade vai manter-se como número dois da concelhia do PS-Gaia DR Cãmara de Gaia

A vereadora socialista Elisa Cidade, até agora adjunta do presidente da Câmara de Gaia para a área da Educação, entregou todos os pelouros mas vai cumprir o mandato até ao fim para o qual foi eleita em Outubro de 2017.

Na carta dirigida ao presidente da autarquia, Eduardo Vítor Rodrigues, Elisa Cidade deixa claro que a renúncia ao exercício de funções é uma decisão “irrevogável”. “(…) Neste momento já não se encontram, por motivos pessoais, reunidas as condições para continuar a desempenhar o meu trabalho pelo que renuncio às minhas funções como vereadora a tempo inteiro a partir de 01/11/2019 [a carta tem data de 29 de Outubro], mantendo o mandato de vereadora em regime de não permanência”, afirma a autarca, que é professora do ensino básico.

Número três na hierarquia da Câmara de Gaia, Elisa Cidade era uma das pessoas que fazia parte do círculo restrito de Eduardo Vítor Rodrigues, de quem era, de resto, amiga há 20 anos, pelo que a sua decisão surpreendeu colegas de partido e autarcas. Mas a Câmara de Gaia desvaloriza o episódio e argumenta que “a vereadora Elisa Cidade pediu renúncia aos pelouros que detinha para se dedicar a um projecto de tese de doutoramento. O pedido foi naturalmente aceite e a vereadora mantém a normal actividade de um vereador sem pelouros”.

A autarca, que faz parte da concelhia do PS-Gaia, sublinha que foi “com muita honra e dedicação à causa pública” que desempenhou as funções de vereadora com pelouros, frisando que sempre cumpriu “com elevado sentido de responsabilidade democrática e cívica as funções dedicadas à causa pública”. Depois de revelar que a “renúncia ao exercício de funções a tempo inteiro não é fruto de uma decisão fácil” e que mereceu da sua parte uma “reflexão profunda”, a vereadora conclui: “Ao longo deste tempo dediquei-me e abracei o nosso projecto para o concelho, trabalhando em prol do município e dos gaienses, com dedicação e compromisso com a construção de espaços éticos, cívicos e educativos”.

Aos 53 anos, Elisa Cidade, que o PÚBLICO contactou mas que preferiu não fazer declarações sobre o caso, regressou por estes dias ao Agrupamento de Escolas Sophia de Mello Breyner de Arcozelo onde é professora, actividade que concilia com o doutoramento em Ciência da Educação que está a fazer desde o ano passado na Universidade do Minho.

A entrega de pelouros de Elisa Cidade acontece pouco tempo depois de António Rocha deixar as funções de chefe de gabinete do presidente da câmara.