Fidelidade também fica com parque subterrâneo da antiga Feira Popular

Empresa ganhou direito de superfície até 2109 por 4,5 milhões de euros. Com esta compra passa a ser proprietária de todos os lotes do megaprojecto urbanístico para Entrecampos.

Foto
rui Gaudencio

A Fidelidade ganhou a hasta pública para a construção de um parque de estacionamento subterrâneo na zona da antiga Feira Popular de Lisboa e, assim, fica proprietária de todos aqueles terrenos.

Por 4,5 milhões de euros, exactamente o preço-base, a Fidelidade Property Europe S.A. ficou com o direito de superfície sobre uma parcela de terreno no subsolo da Av. 5 de Outubro, contígua aos terrenos da antiga feira, que se destina à construção de um parque de estacionamento com 428 lugares.

A seguradora, detida pelo conglomerado chinês Fosun, já tinha comprado há um ano o recinto da antiga feira por 238,5 milhões de euros e uns terrenos na Av. Álvaro Pais por 35,4 milhões, o maior negócio imobiliário em Portugal de 2018. Todas as vendas foram feitas pela Câmara de Lisboa no âmbito da chamada Operação Integrada de Entrecampos, através da qual a autarquia quer fazer nascer ali um grande centro empresarial com alguma habitação a custos controlados.

A hasta pública desta sexta-feira esteve originalmente marcada para 22 de Outubro mas acabou por ser adiada a pedido da Saba, empresa gestora de parques de estacionamento por todo o país. A Fidelidade acabou, no entanto, por ser a única empresa a apresentar uma proposta, o que ditou a venda do direito de superfície pelo preço-base estabelecido.

A parcela tem uma área próxima dos 10 mil metros quadrados e a Fidelidade ficará usufrutuária pelo período de 90 anos – ou seja, até 2109. Segundo os termos do caderno de encargos, o futuro parque deverá ter três pisos subterrâneos: no -1 ficará uma “infra-estrutura de apoio logístico” e no -2 e no -3 ficará o estacionamento.

Com esta venda, a câmara ficou sem mais terrenos para alienar na zona da Operação Integrada de Entrecampos. A parte pública deste megaprojecto urbanístico – a construção de 500 casas para o Programa de Renda Acessível – está já a avançar, esperando-se o arranque das obras nos próximos meses. Sobre os projectos da Fidelidade ainda não há notícias.