Antes do FMI e BCE, Christine Lagarde foi conselheira de empresas sediadas em paraísos fiscais

A presidente do BCE foi conselheira de duas empresas da gigante de advogados Baker & McKenzie sediadas nas Bermudas e em Singapura.

,Fundo Monetário Internacional
Foto
Christine Lagarde Jacky Naegelen/Reuters

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, foi conselheira de uma empresa entre 2003 e 2005 que tem como sede as ilhas Bermudas, um pequeno território do Atlântico que estava na lista negra da União Europeia por causa dos paraísos fiscais, noticia o jornal espanhol El País nesta sexta-feira. Além desta empresa, pertencente aos escritórios de advogados Baker & McKenzie, Lagarde fez também parte do conselho de administração de uma outra empresa em Singapura (do mesmo escritório de advogados), quando este país estava protegido por sigilo bancário.

Antes de assumir o cargo de presidente do BCE em Outubro deste ano, Christine Lagarde era desde 2011 directora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI). Ainda que já se soubesse que Lagarde tinha feito parte da gigante internacional Baker & McKenzie, não era sabido que tinha sido conselheira de duas filiais desta empresa, ambas localizadas em países considerados paraísos fiscais.

Nas Bermudas, a empresa em causa é a Law in Context Ltd, onde Lagarde servia de conselheira, escreve o El País. Em 2005, a dirigente saiu desta empresa para ser ministra do Comércio Exterior do governo do antigo primeiro-ministro francês Dominique Villepin. A Law in Context foi criada pela Appleby, uma empresa especialista em constituir negócios em paraísos fiscais.

Em Singapura, a empresa constituída em 2003 tinha um nome similar, Law in Context Pte Ltd., e teria a sua actividade de negócio centrada na Suíça, segundo uma auditoria de 2009 da Ernst & Young, citada pelo El País.

Singapura já não está protegido pelo sigilo bancário, mas as características do seu regime fiscal fazem com que este território continue a ser visto como paraíso fiscal – surge em 8.º lugar entre 64 territórios do índice elaborado pelo Tax Justice Network​, lista onde as Bermudas aparecem em 2.º lugar, apenas atrás das Ilhas Virgens Britânicas.

Ainda que as Bermudas tenham deixado de estar na lista negra da União Europeia das jurisdições não cooperantes para efeitos fiscais, o país continua na chamada “lista cinzenta”, por ter um regime fiscal que facilita estruturas offshore que atraem lucros sem actividade económica real; 

Contactada pelo El País, a firma de advogados Baker & McKenzie garante que “Lagarde nunca teve uma conta num paraíso fiscal nem beneficiou de qualquer vantagem ilegal”. “[Christine] Lagarde não teve interesse económico na actividade da Law in Context Ltd”, explicaram ainda.