Maria Reis: a vida a resolver-se na canção

A guitarrista e vocalista das Pega Monstro acaba de lançar o seu primeiro álbum a solo. Chove na Sala, Água nos Olhos é música honesta e de enorme inteligência melódica e verbal, para expurgar o que vai lá dentro.

Um dia Maria Reis chegou a casa e tinha um buraco no tecto da sala. Tinha caído um pedaço. Chovia lá dentro. Era a ironia da vida a bater-lhe de frente. Aquela imagem era não só uma prova do estado da habitação da Lisboa-gentrificada-estância-turística-cool-mas-podre (RIP Lisboa), mas também uma metáfora do que se estava a passar na sua vida: cabeça a cair aos pedaços mais ou menos como o tecto, o fim de um relacionamento, dilemas existenciais, depressão. Nasceu ali o título do seu primeiro álbum a solo, Chove na Sala, Água nos Olhos. “Acabei por perceber que isto podia dar uma imagem bonita, com algo de catártico.”