Concorrentes têm 90 dias para mostrar projectos para expansão do metro do Porto

Os sete consócios que passaram a fase de pré-qualificação do concurso para a expansão do metro do Porto têm, a partir desta terça-feira, 90 dias para apresentarem os projectos de execução das duas novas linhas desta rede.

Nas linhas devem transportar dez milhões passageiros por ano
Foto
Nas linhas devem transportar dez milhões passageiros por ano Paulo Pimenta

“Com a aprovação pelo Conselho de Administração da Metro do Porto, SA, dos relatórios dos júris dos concursos, para a fase de pré-qualificação, os concorrentes vão ser convidados a apresentar propostas para a execução da Linha Circular (Linha Rosa), Aliados/Praça da Liberdade – Casa da Música/Boavista, com o Preço Base de 175 milhões de euros, e para a extensão da Linha Amarela desde Santo Ovídio a Vila d’Este – com o Preço Base de 95 milhões de euros”, explicou a empresa Metro do Porto em comunicado.

Os consórcios pré-qualificados para esta última fase incluem as seguintes empresas: Mota-Engil/ Spie Batignolles International / Mota-Engil Railway Engineering, Sacyr-Somague / DST/ Sacyr Neopul / Lucios; Acciona Construcción/Casais – Engenharia e Construção; Alexandre Barbosa Borges/ Construcciones y Promociones Balzola / Geotunel, S.L. / Azvi SA; Zagope - Construções e Engenharia/COMSA/ Fergrupo - Construções Técnicas e Ferroviarias; Teixeira Duarte / EPOS -Empresa Portuguesa de Obras Subterrâneas, SA / Somafel - Engenharia e Obras Ferroviárias, S.A e a dupla Ferrovial Agroman/ Alberto Couto Alves.

“A construção da Linha Rosa, entre as estações de S. Bento e da Casa da Música, tem um prazo de execução de 42 meses, sendo o prolongamento da Linha Amarela entre Santo Ovídio e Vila d’Este a executar em 34 meses. O investimento global considerado para a expansão é de 307 milhões de euros, valor que inclui as empreitadas objecto dos presentes concursos, bem como os encargos relativos a concepção e projeto, expropriações, fiscalização e instalação dos sistemas de sinalização e apoio à exploração”, explica a Metro do Porto.

Segundo esta empresa pública, as empreitadas, cujo arranque depende, agora, de um processo de adjudicação sem percalços, vão decorrer entre 2020 e 2023 e incluem a construção de seis quilómetros de linha e sete estações. Os estudos relativos e esta expansão da rede apontam para um cenário de conquista de mais de 10 milhões de novos clientes anuais.