Já há pelo menos dois investidores interessados na Cervejaria Galiza

Pela primeira vez desde que gestão da casa foi assumida por uma comissão, sindicato e trabalhadores reuniram-se com administração da cervejaria. Ministério do Trabalho prometeu acompanhar processo. Salários de Outubro já foram saldados, tal como parte do subsídio de Natal de 2018

Fotogaleria
Cervejaria Galiza abriu em 1972. Há uma semana uma comissão de trabalhadores assumiu a gestão da casa Anna Costa
Fotogaleria
Jerónimo de Sousa jantou esta terça-feira na Galiza Manuel Roberto

Algumas das questões levadas para cima da mesa pelos trabalhadores da Galiza continuavam sem resposta no final da reunião desta terça-feira. Mas dois compromissos ficaram, desde já, lavrados. A administração prometeu um maior acompanhamento à comissão nomeada na passada segunda-feira à noite para gerir a cervejaria e o Ministério do Trabalho garantiu seguir de perto o processo.

Esta foi a primeira vez que a administração da Galiza se sentou com o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Norte e a comissão de trabalhadores desde que esta assumiu a gestão do restaurante da Rua do Campo Alegre, no Porto, quando os proprietários se preparavam para encerrar, sem aviso, a casa. Uma nova reunião ficou já agendada para a próxima segunda-feira de manhã.

Nuno Coelho, coordenador do sindicato, foi à cervejaria Galiza ao início da tarde para actualizar os trabalhadores. Na reunião, horas antes, tinha confirmado a existência de “pelo menos dois investidores” interessados na compra da Galiza, aberta desde 1972 e “herdeira” da cervejaria C.U.F. Aos representantes dos trabalhadores não foi dito quem são os interessados nem qual o valor da venda, embora tenha ficado implícito que quem entregar o valor da dívida cumprirá os requisitos da proprietária, Delfina Amaral, que assumiu a administração da cervejaria após a morte do marido, um dos fundadores da Galiza.

As dívidas ao Fisco e à Segurança Social ascenderam, há anos, aos dois milhões de euros. Neste momento, e depois de passar por um Processo Especial de Revitalização, Nuno Coelho acredita que o valor andará nos 1,8 milhões. A administração declinou o pedido dos trabalhadores para terem um representante a acompanhar estas negociações, mas prometeu mais apoio à gestão em questões burocráticas como facturações de contas de água e luz ou acesso a correspondência.

A gestão assumida, com a aval da administração, por três trabalhadores tem conseguido não só manter a casa aberta como apurar o suficiente para liquidar alguns dos pagamentos em atraso. No sábado, tinham entregado mais 200 euros a cada um dos 31 trabalhadores, esta segunda-feira saldaram a totalidade do mês de Outubro e 100 euros do subsídio de Natal de 2018. A administração, sublinha Nuno Coelho, reafirmou a confiança na comissão de trabalhadores e apoiou esta medida.

O grande desígnio continua a ser o mesmo: “manter os trabalhadores a laborar” e impedir o fecho da Galiza. E, para isso, os trabalhadores vão continuar a repor o stock com os lucros do dia e a fazer turnos para vigiar o estabelecimento durante a noite. À administração já foi pedida autorização para voltar a ter a casa aberta às segundas-feiras, mas, para já, ainda não houve luz verde.

Na última semana, a Galiza voltou a ter casa cheia e a solidariedade foi notória. No restaurante, apareceram os bloquistas José Soeiro, Francisco Louçã e Catarina Martins, a vereadora comunista Ilda Figueiredo e a deputada da CDU Diana Ferreira. Depois da coordenadora do Bloco de Esquerda, também o secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, jantou, esta terça-feira, na cervejaria para encorajar os trabalhadores. Antes, o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, também fez questão de mostrar pessoalmente o seu apoio.

Os problemas na Galiza são antigos, mas, segundo os trabalhadores, agudizaram-se nos últimos 18 meses, quando a administradora colocou outra pessoa a gerir o restaurante. As decisões, lamentam, só ajudaram a empurrar a empresa para o fundo: foi imposta a segunda-feira como dia de fecho, o cozinheiro da casa foi afastado (e com ele saíram da ementa pratos típicos da Galiza, como feijoada de mariscos e cabrito), alguns clientes, descontentes, deixaram de aparecer.

Na segunda-feira da semana passada, dia de encerramento semanal, os trabalhadores montaram uma vigília em frente ao espaço, na Boavista, por suspeitarem que algo estaria para acontecer. Dentro, estavam algumas pessoas a encaixotar documentos, a preparar a retirada da maquinaria e a mudança da fechadura. Na porta, estava já colado um papel com a indicação de que o estabelecimento estava encerrado. Foi nesse momento que os trabalhadores travaram o processo, conseguindo um acordo com a administração para gerirem, temporariamente, a Galiza. Assim continuará.