As imagens de uma segunda-feira de violentos confrontos em Hong Kong

Centenas de manifestantes barricados na Universidade Politécnica estão cercados pelas autoridades, que exigem a sua rendição total

Manifestante a ser detida pela polícia Tyrone Siu / REUTERS,Tyrone Siu / REUTERS
Fotogaleria
Manifestante a ser detida pela polícia Tyrone Siu / REUTERS,Tyrone Siu / REUTERS

Esta segunda-feira, a Universidade Politécnica de Hong Kong voltou a ser transformada em epicentro da contestação às autoridades pró-chinesas e permanece transformada, desde domingo à noite, num verdadeiro campo de batalha.

Bombas incendiárias, cocktails-molotov, tijolos, flechas e fisgas são algumas das armas improvisadas pelos que ali se barricaram para resistir à repressão da polícia, que admitiu usar munição real, e não apenas balas de borracha, se continuar a ser atacada com o que qualificou de “armas letais”. A polícia exige a rendição total dos manifestantes e está a tentar evitar qualquer fuga. Segundo as autoridades clínicas, 116 pessoas deram entrada nos vários hospitais da cidade com ferimentos. Uma mulher encontra-se em estado grave.

Polícia de choque confronta estudante de rádio da Universidade Politécncia
Polícia de choque confronta estudante de rádio da Universidade Politécncia SOCIAL MEDIA
Imagem dos confrontos na entrada da universidade
Imagem dos confrontos na entrada da universidade Thomas Peter / REUTERS
Manifestantes a ser acompanhados pela polícia no campus
Manifestantes a ser acompanhados pela polícia no campus Thomas Peter / REUTERS
Manifestante ferido
Manifestante ferido Tyrone Siu / REUTERS
Médicos prestam assistência a manifestante
Médicos prestam assistência a manifestante Thomas Peter / REUTERS
Manifestante pró-democracia tenta apagar incêndio
Manifestante pró-democracia tenta apagar incêndio Thomas Peter / REUTERS
EPA/FAZRY ISMAIL
EPA/FAZRY ISMAIL
Reuters/ATHIT PERAWONGMETHA
EPA/FAZRY ISMAIL
Reuters/ATHIT PERAWONGMETHA
Reuters/ATHIT PERAWONGMETHA
EPA/MIGEUL CANDELA
Reuters/ADNAN ABIDI
Reuters/ADNAN ABIDI
Reuters/ADNAN ABIDI
Reuters/THOMAS PETER
Reuters/ADNAN ABIDI
Sugerir correcção