Número de habitantes continua a baixar. Somos pouco mais de 10 milhões

Estatísticas demográficas do INE relativas a 2018 confirmam tendências registadas nos anos anteriores. Saldo natural negativo é o maior dos últimos anos, reflectindo o profundo envelhecimento da população portuguesa. E a emigração qualificada voltou a aumentar.

Foto
Em 2033, a população residente em Portugal será inferior a 10 milhões de pessoas Nuno Ferreira Santos

A população residente em Portugal voltou a baixar no ano passado, tendo sofrido uma quebra de 14.410 habitantes, revelam as estatísticas demográficas publicadas nesta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Em 2018 residiam em Portugal 10.276.617 pessoas.

 Também se mantêm as tendências registadas em anos anteriores: terão entrado em Portugal 43.170 imigrantes permanentes, o que representa um aumento de 17,8%, por comparação a 2017. E houve 28.856 estrangeiros que adquiriram a nacionalidade portuguesa, mais 23,7% do que no ano anterior.

Todos os anos, por volta desta altura, o INE apresenta contas sobre a situação demográfica em Portugal e a sua evolução por comparação a anos anteriores. Os dados habitualmente tidos em conta para este retrato do país dizem respeito à população residente (quantos e quem somos) e a outros fenómenos que determinam a sua evolução, como a natalidade, mortalidade e esperança de vida. Mas também as migrações e o número de novos portugueses, por aquisição da nacionalidade. Estas estatísticas dizem sempre respeito ao ano anterior em que foram divulgadas. 

Em 2018, mais uma vez,  os imigrantes que se fixaram por cá não chegaram para contrariar os valores negativos do chamado saldo natural (- 25.280 na diferença entre o número de nascimentos e o número de óbitos ocorridos), embora tenham ajudado a mitigar os seus efeitos já que o saldo migratório  (diferença entre o número dos que imigram e o número dos que emigram) voltou a ser positivo: houve mais 11.570 pessoas a entrar no país do que aquelas que saíram.

Quanto ao saldo natural, a sua dimensão negativa foi a maior dos últimos seis anos, traduzindo assim uma das consequências do envelhecimento profundo da população portuguesa.

Área Metropolitana de Lisboa é excepção

Entre 2013 e 2018, a idade média da população residente passou de 43,1 para 45,2 anos. E o número de jovens (até aos 14 anos) sofreu um decréscimo de 114.288 no mesmo período.

Também se registou uma diminuição da população em idade activa (15 aos 64 anos): menos 210.778 pessoas. Já o número de idosos, aumentou, neste período, para mais 174.82 pessoas (com 65 e mais anos).

No meio deste panorama escapa-se por pouco a Área Metropolitana de Lisboa (AML), a única em todo o país que registou um crescimento efectivo da população ali residente (+0,45%) por comparação ao ano anterior. No pólo oposto situa-se o Alentejo, que registou uma quebra de 0,91% no número de habitantes. Alargando as contas para a população a nível nacional, verifica-se que a quebra na taxa de crescimento foi mesmo assim menor do a que registada no ano anterior: -0,14% face a -0,18%.

A taxa de crescimento efectivo dá conta da variação registada na população residente entre o início e o final de um certo período de tempo, já a relativa ao chamado crescimento natural dá apenas registo da diferença entre os nascimentos e mortes. Mais uma vez, a AML é a única região do país que apresenta também aqui valores positivos (+0,04%), o que traduz uma diferença de 1013 pessoas a favor dos nados-vivos. No conjunto do país, a taxa de crescimento natural ficou em -0,25%, o que no caso corresponde a terem-se verificado mais 25.980 óbitos do que nascimentos.

Quanto à taxa de crescimento migratório verifica-se que em 2018 voltou a subir, uma tendência que tinha começado a esboçar-se no ano anterior, quando pela primeira vez em cinco anos se registou uma diferença positiva na relação entre os que imigraram para Portugal e os que saíram de cá. Esta diferença a favor dos que escolheram viver aqui passou de 4886 em 2017 para 11.570 em 2018.

Em 2013, no auge da crise económica, o retrato era totalmente o inverso com o número dos que saíram do país a ultrapassar em 36.232 os que tinham feito o percurso inverso.

Emigração qualificada aumenta

Nas estatísticas relativas a 2018 o que se pode ver também é que apesar do negócio das estufas, alimentado sobretudo por trabalhadores imigrantes, o Alentejo é uma das três regiões do país em que a taxa de crescimento migratório apresenta valores negativas. As outras duas são o Centro e os Açores. Em contrapartida, a AML volta também aqui a mostrar-se mais atractiva, tendo conseguido fixar mais 11.640 imigrantes.

Antes de se avançar mais, um esclarecimento. Nas estatísticas do INE são considerados imigrantes permanentes as pessoas que entraram em Portugal para aqui viver durante um ano ou mais, incluindo neste contingente os cidadãos portugueses que, entretanto, têm regressado ao país ou que aqui se fixaram depois de ter obtido a nacionalidade.

É assim que que cerca de 47% dos 43.170 imigrantes permanentes registados em 2018 aparecem como sendo de nacionalidade portuguesa. No conjunto são 20.415, dos quais 14.570 nasceram em Portugal. Quase outros tantos (14.663) são nacionais de países fora da União Europeia, correspondendo a cerca de 34% do total, o que traduz “um aumento significativo deste último tipo de imigrantes”, destaca o INE.

Em 2017 fixaram-se em Portugal cerca de nove mil imigrantes oriundos de países de fora da EU, representando então 24% do total.

Por comparação a 2013, o INE dá conta de que também na população imigrante “verificou-se um decréscimo da população jovem, um acréscimo da população em idade activa e a manutenção da população com idades mais avançadas: 12,2% jovens, 82,6% de pessoas em idade activa e 5,2% de idosos”.

Mas continua a haver também quem faça o percurso inverso, saindo de Portugal para se fixar noutro país durante um ano ou mais. Em 2018 terão sido 31.600 (31.753 em 2017). Os homens continuam em maioria neste contingente: 73% destes emigrantes são do sexo masculino. Mais significativo é ainda este facto: 40% dos que saíram concluíram o ensino superior, o que quase duplica a proporção registada em 2017.

A esmagadora maioria dos emigrantes (93%) têm nacionalidade portuguesa e os principais países de destino  foram França, Reino Unido, Suíça, Espanha e Bélgica