“Maré branca”: em França, há quilos e quilos de cocaína a dar à costa

Mais de uma tonelada de droga foi parar às praias do litoral atlântico francês no último mês. Autoridades desconhecem a origem dos embrulhos.

Cocaína
Foto
A polícia reforçou as patrulhas nas praias perto de Bordéus, mas isso não afasta a curiosidade dos transeuntes Ricardo Rojas/REUTERS/Arquivo

Tem sido chamada de “maré branca”: mais de uma tonelada de droga (sobretudo cocaína) deu à costa nas praias da costa atlântica de França no último mês, anunciou na terça-feira o procurador da cidade de Rennes, Philippe Astruc. A origem da droga ainda é incerta, não se sabendo se se trata de um acidente ou de uma descarga voluntária.

O aparecimento de embrulhos de cocaína tem sido observado “desde meados de Outubro, com uma intensificação desde 4 de Novembro”, explicou Astruc.

O procurador de Rennes indicou que “foi estabelecida uma cooperação policial de escala europeia e também com as autoridades norte-americanas”, para ajudar na tarefa de determinar a fonte da mercadoria. “Várias hipóteses são possíveis, mas neste momento privilegiamos uma descarga após uma avaria ou uma tempestade”, concluiu Philippe Astruc.

O último balanço da droga apreendida apontava para 760 quilogramas, na segunda-feira; agora, ultrapassa uma tonelada. A título de comparação, foram apreendidas 17,5 toneladas de cocaína em França durante todo o ano de 2018, segundo os dados do Observatório Francês da Droga e da Toxicodependência (OFDT).

Na segunda-feira, um adolescente de 17 anos com cinco quilos de cocaína em sua posse foi detido pelas autoridades numa praia de Lacanau, interdita ao público após a descoberta de pacotes de droga desde a semana passada na costa de Gironda. Segundo os polícias, o adolescente deslocou-se especialmente desde a cidade de Toulouse, no sudoeste de França, tendo sido detido por “detecção e aquisição de substâncias ilegais”.

Debaixo de fortes chuvas, dezenas de polícias examinavam na segunda-feira o areal numa extensão de 13 quilómetros das praias de Porge, para tentar localizar pacotes de cocaína que têm encalhado no litoral atlântico. A operação envolveu helicópteros das alfândegas e da polícia a vigiar a costa, enquanto as autoridades verificaram o conteúdo dos sacos de quem visitava as praias da região, bem como os veículos nos parques de estacionamento.

Na pequena cidade de Porge, localizada a 45 quilómetros a oeste de Bordéus, os primeiros pacotes foram encontrados no sábado, tendo o presidente da câmara, Martial Zaninett, emitido de imediato um despacho a interditar o acesso àquela área. “Os serviços do Estado pediram para proibir o acesso aos 13 quilómetros de costa que temos em Porge, para proteger as praias e por razões de evidente perigo de produtos que chegam às costas”, explicou Martial Zaninett.

As autoridades alertaram contra esses produtos “altamente concentrados”, referindo “o risco de lhes tocar que pode provocar uma reacção cutânea”. As praias de Porge foram sinalizadas com placas que diziam “proibido passear na praia até novo aviso”. No entanto, não tiveram o efeito desejado.

“Estávamos a passear tranquilamente com o cão e não vimos os sinais. A polícia pediu-nos para sair”, disse à agência de notícias France-Presse (AFP) Martine Baldini, que passeava na praia com o seu companheiro. Martine Baldini encontrou um desses pacotes em Porge.

“A curiosidade fez-nos aproximar. Percebemos que deveria ser droga. Não lhe tocámos porque nos disseram que poderia ser perigoso”, contou Baldini. Chamaram a polícia, que “recuperou o pacote, que deveria ter quatro quilos, e foi colocado num saco de congelação”, contou.