Associação Espaço t celebra 25 anos

A associação solidária Espaço t comemora as suas bodas de prata esta quinta-feira e vai festejar com um jantar solidário no Terminal de Cruzeiros de Leixões. E há muitos projectos na calha.

Interculturalidade
Foto
Interculturalidade Espaço t

“Utilizar a arte como apoio à integração social e comunitária"  este é o lema da associação Espaço t. Inaugurada em 1994 por Jorge Oliveira, é sob sua direcção que ainda hoje perdura. Comemora as suas bodas de prata esta quinta-feira e para celebrar vai organizar um jantar solidário de angariação de fundos no Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões que irá contar ​com uma actuação de Rui Reininho. A entrada custa 75 euros. 

O Espaço t é uma associação que acompanha pessoas com algum tipo de incapacidade, organizando, por exemplo, aulas ligadas às artes, e trabalha com dois objectivos: “Incluir o indivíduo em actividades artístico-culturais e/ou formativas, de modo a estimular as capacidades expressivas e desenvolver o investimento em si próprio e promover a mudança social para a aceitação da diferença pela sociedade”, disse ao PÚBLICO Jorge Oliveira.

Neste momento conta com 300 alunos dos 6 aos 80 anos que frequentam as aulas de pintura, dança, jornalismo, teatro e outras áreas ligadas à arte. “Uns foram encaminhados pelos hospitais e outros procuram sozinhos o nosso apoio”, explicou o director. Este ano, o jantar de comemoração pretende incluir também estes alunos, o que faz com que "o valor do jantar seja um pouco elevado” porque é também “para contribuir que os alunos possam estar presentes. Eles também merecem uma festa”, diz.

A equipa conta actualmente com 25 voluntários, mas estão sempre abertos a receber quem queira ajudar. Para ser voluntário basta aceder ao site e, depois de carregar em “Quero ser voluntário!”, preencher um formulário.

Estes 25 anos foram recheados de experiências e até passaram por crise financeira, há três anos, que “foi muito difícil” mas conseguiram manter-se de pé, “com muita resiliência”. Entre as suas iniciativas mais resilientes está o Corpo e Vento – ciclo de teatro e dança. Esta iniciativa vai já na sua 21.ª edição e integra 11 grupos de teatro e dança.

Há três anos criaram o “Fórum dos Cuidadores”, que conta com Paulo Azevedo, do grupo Sonae (proprietária do PÚBLICO), na presidência e se define, como o próprio nome indica, como um “grupo de cuidadores, composto por pessoas de renome, que se reúne duas vezes por ano com o objectivo de ajudar a definir novas estratégias e a pensar como podemos ter outros apoios financeiros”, explicou Jorge Oliveira. Isabel Jonet, Rui Reininho, Rosa Mota, Souto de Moura e muitas outras personalidades também fazem parte deste fórum.

Além das actividades que já desenvolvem, muitos outros projectos se avizinham. Alguns exemplos são a criação de um grupo profissional de teatro, o alargamento da turma de râguebi – de 80 para 120 alunos – e a criação de um projecto intitulado “galerias comunitárias”, em que o objectivo é “capacitar o público à criação de uma galeria”, e conseguir criar uma galeria de arte em cada um dos bairros.

Texto editado por Ana Fernandes