Lilou, a porquinha, é a mais célebre assistente do aeroporto de São Francisco

Foi a primeira da sua espécie no mundo a ser “contratada” para assistência terapêutica a passageiros. Missão: provocar sorrisos, acalmar os mais stressados. Naturalmente, domina também as redes sociais e não lhe faltam seguidores.

,Aeroporto Internacional de São Francisco
Fotogaleria
Lilou reuters/JANE ROSS
,Aeroporto
Fotogaleria
Lilou e a sua dona e treinadora, Tatyana Danilova reuters/JANE ROSS
,Aeroporto
Fotogaleria
Lilou a trabalhar reuters/JANE ROSS
,Terapia assistida por animais
Fotogaleria
Lilou a trabalhar DR

Tem cinco anos, é um “miniporco” e tem uma inédita função para um porcino: Lilou é oficialmente um animal terapêutico e faz parte de uma espécie de “brigada” da diversão do aeroporto internacional de São Francisco, EUA. O seu “trabalho”, que, sublinhe-se, é voluntário, é precisamente distrair, alegrar e, em resumo, acalmar nervos. Quem consegue resistir a Lilou?

Passeia-se pelo aeroporto com um boné de piloto e, como se não bastasse, exibe as unhas das patas pintadas de vermelho. A sua área principal é a de segurança, entre os agentes que fazem o controlo de entradas e os detectores de metais, podendo dar uns passeios até às partidas.

PÚBLICO -
Foto
Reuters/JANE ROSS

“As pessoas ficam muito contentes por se poderem distrair das viagens, das rotinas, quer estejam a voar em férias ou em trabalho”, disse à Reuters Tatyana Danilova, a dona de Lilou e sua treinadora, responsável por acompanhá-la. 

Quem passar pelo aeroporto poderá vê-la em algumas das suas funções principais: Lilou é a estrela mais desejada do sítio para fotos ou para cumprimentar com um grunhido. A ajudar à festa, cumprimenta com uma pata e é até capaz de tocar umas músicas com as patinhas num piano de brincadeira... “Nunca tinha visto um porco no aeroporto; ela sabe fazer truques como um cão!”, diz Katie, uma maravilhada passageira de oito anos, enquanto Lilou dá com as patas nos teclados. É uma profissional tarimbada, afinal já tem este “trabalho” há quase três anos, sempre com muito sucesso.

PÚBLICO -
Foto
O sorriso é a grande arma, diz Danilova. Reuters/JANE ROSS

E, chegados aqui, não se pense que isto é tudo apenas pura diversão com retoques anedóticos, é coisa séria: Lilou é um dos animais terapêuticos integrados num programa do aeroporto de São Francisco, que inclui também cães de várias raças e tamanhos. Todos os animais passam por um treino especial.

“Quando lançámos o programa, o nosso principal objectivo era aliviar o stress dos nossos passageiros”, comenta Jennifer Kazarian, chefe do serviço de apoio ao cliente do aeroporto. Mas o conceito tornou-se mais lato: “Descobrimos que conseguimos assim estabelecer uma conexão com os passageiros”, criar uma noção de comunidade. “Tem sido absolutamente fantástico”, remata.

O segredo está no sorriso: “As pessoas olham para ela, contentes, e isso fá-las parar por um segundo e sorrir”, diz a treinadora, Tatyana Danilova. E, como se sabe, um bom sorriso é meio caminho andado para tudo correr melhor. E não só voos: Lilou também faz trabalho voluntário noutros locais onde é muito apreciada, entre escolas, hospitais ou lares de idosos.

E não só: uma outra celebridade que já fez questão de conhecer Lilou foi Jane Goodall, a primatóloga britânica. E para Lilou não lhe faltaram palavras: "A Lilou é um exemplo para muita gente, para que percebam como os porcos são impressionantes e para que pensem mais profundamente sobre a forma como os tratamos”. 

E será que não há risco de começarem a aparecer algumas “porcarias” pelos corredores do aeroporto? De modo algum, garantem. Todos os animais, incluindo Lilou, estão treinados como animais de estimação para fazerem as suas necessidades no seu devido lugar.