Estão a ser retirados os tapumes da praça do Martim Moniz

Praça vai reabrir sem os quiosques que lá estavam. Câmara reforçou iluminação pública e plantou árvores.

Fotogaleria
Tapumes estão a ser desmontados, quase um ano depois de terem sido colocados Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Tapumes estão a ser desmontados, quase um ano depois de terem sido colocados Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Tapumes estão a ser desmontados, quase um ano depois de terem sido colocados Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Tapumes estão a ser desmontados, quase um ano depois de terem sido colocados Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Tapumes estão a ser desmontados, quase um ano depois de terem sido colocados Rui Gaudêncio

Os tapumes que ladeavam a praça do Martim Moniz, em Lisboa, estão a ser retirados, quase um ano depois de ali terem sido colocados. Nos últimos meses, a câmara fez no local algumas obras de conservação do espaço, já depois de ter anunciado que não ia avançar com o polémico projecto dos contentores e de os moradores da zona terem denunciado situações de insalubridade e insegurança. Por volta das 11h, quase todas as estruturas tinham sido retiradas. 

Os tapumes foram colocados no início do ano para que se iniciasse uma obra que pretendia criar na praça uma área comercial, composta por contentores, que acomodariam entre 30 a 50 espaços comerciais, como talho, cabeleireiro, florista, padaria, restaurantes.

No entanto, a proposta foi amplamente criticada pela população de Santa Maria Maior, e pela própria junta de freguesia, pelo Fórum Cidadania Lx e por quase todas as forças políticas da oposição na câmara. Foi inclusive constituído o Movimento Jardim Martim Moniz, que defende a criação de um jardim na praça.

A obra chegou a arrancar para a instalação de infra-estruturas no subsolo, mas parou há vários meses. Desde então, os tapumes foram vandalizados e os moradores queixavam-se que o interior da praça — onde tinha sido colocado um contentor-modelo — era usado para prostituição e para tráfico de droga. E reclamavam do lixo, da urina e das fezes que se iam acumulando no espaço.

A autarquia, já depois de anunciar que não pretendia seguir com o projecto dos contentores, acabou por fazer algumas obras de conservação do espaço — reforçou a iluminação pública, arranjou os canteiros, plantou árvores. 

Com a retirada dos tapumes que a rodeavam, a praça pode reabrir, ainda que sem os quiosques que lá estavam, antes do início das obras. A autarquia, segundo foi já anunciado, deverá preparar agora o lançamento de um novo concurso de ideias para a requalificação da Praça do Martim Moniz.

A Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, cujo presidente, Miguel Coelho, sempre criticou o projecto dos contentores, congratula-se pela devolução deste espaço à cidade. “Depois de meses de inibição de usufruto do espaço público e do aumento da marginalidade e insegurança na praça e zona envolvente, hoje estão a ser removidos os tapumes colocados para a obra inicialmente prevista e a praça está a ser limpa e devolvida à população”, lê-se numa nota publicada no site da junta, que defende ainda que tem sido “irredutível na defesa de um espaço verde, de lazer, para as famílias e de que se dê voz aos cidadãos”. Miguel Coelho já deixou expressa, por diversas vezes, a vontade de ver ali feito “um grande parque infantil e de lazer”, com muitas zonas verdes. 

Sugerir correcção