Selecção feminina não “matou o jogo” e empatou aos 90’

Com este resultado, a equipa portuguesa soma quatro pontos em dois jogos, e fica a dever a si própria um resultado diferente.

Futebol gaélico
Foto
Jogadoras portuguesas festejam em Famalicão LUSA/OCTÁVIO PASSOS

A selecção feminina de Portugal empatou com a Finlândia (1-1), nesta segunda-feira, em jogo de apuramento para o Euro 2021 de futebol. Com este resultado, a equipa portuguesa soma quatro pontos em dois jogos, ficando a dever a si própria outro resultado, tal foi o número de oportunidades de golo desperdiçadas. A Finlândia soma, neste momento, 10 pontos em quatro jogos, a Escócia soma seis em duas partidas, Portugal tem quatro e Chipre e Albânia ainda não pontuaram.

Em Famalicão, a chuva afastou algum público e ensopou um relvado que estragou um sem número de jogadas de ambas as equipas. Em luta permanente com o relvado e com a bola, evitando que esta ficasse presa nas poças, a equipa portuguesa começou por ter uns dez minutos iniciais de autêntico sufoco à selecção escandinava. A pressão muito alta, remetendo a Finlândia à sua própria área, resultou em cinco remates e um par de boas oportunidades de golo em apenas dez minutos.

Jéssica Silva ia-se destacando pela velocidade e qualidade técnica e Cláudia Neto pela forma como a servia. E foi a capitã que, à meia hora de jogo, ganhou um penálti. A jogadora do Wolfsburgo estava numa zona lateral da área e de costas para a baliza finlandesa, pelo que a rasteira da defensora adversária foi tão evidente como escusada. Cláudia Neto foi bater, ela própria, o pontapé dos 11 metros e não falhou, rematando rasteiro, para o lado direito. A Finlândia conseguiu, a espaços, algumas transições e lances perigosos, mas o futebol da equipa do Norte da Europa foi sempre sofrível e aos repelões.

Na segunda parte, Portugal atacou para o lado do campo no qual o efeito da chuva menos se fez sentir. Desta forma, a equipa começou a conseguir criar jogadas pela relva, muitas vezes ao primeiro toque, com várias triangulações, e chegaram as oportunidades de golo. Cláudia Neto desperdiçou aos 51’, dentro da área, aos 54’, de meia-distância, e criou para Diana Silva rematar torto, aos 56’.

A “avalanche” portuguesa acalmou, até por via do desgaste visível em algumas jogadoras, mas Portugal ainda somou mais um trio de boas oportunidades nos últimos 20 minutos. O empate surgiu aos 90’, com a Finlândia a chegar ao golo por Saellströem, num canto em que a guarda-redes portuguesa, Inês Pereira, foi mal batida. Em suma: a equipa treinada por Francisco Neto fica a dever a si própria um resultado diferente, depois de muito desperdício.