Startup Lisboa abre concurso para o seu novo edifício no Hub Criativo do Beato

Incubadora abre esta segunda-feira o processo de candidaturas para a contratação da empreitada de reabilitação e requalificação do edifício que a Startup Lisboa vai ocupar no Hub Criativo do Beato. A data limite para a candidatura é 22 de Novembro e tem um preço base de 5,4 milhões de euros (mais IVA).

Foto
DR

A Startup Lisboa abre esta segunda-feira o concurso para a reabilitação do edifício da “fábrica de pão e de confeitaria”, que será transformada na nova casa da incubadora de empresas lisboeta no Hub Criativo do Beato.

 O edifício da futura incubadora terá cerca de sete mil metros quadrados e a empreitada tem um preço base de cerca de 5,4 milhões de euros (mais IVA), informou a Startup Lisboa em comunicado. Os interessados têm até 22 de Novembro para apresentarem as suas candidaturas. A partir das 18h desta segunda-feira estarão disponíveis do site da incubadora o programa de concurso, assim como a memória descritiva e o projecto de arquitectura. As especialidades, o projecto de execução e os mapas de quantidades só serão disponibilizados na segunda fase do processo, detalha a Startup Lisboa.

Depois desta primeira fase, “serão seleccionadas até dez empresas às quais será depois pedida a apresentação de uma proposta, face ao caderno de encargos e às especificações técnicas do edifício a reabilitar”. O processo de selecção será assessorado pela SAVILLS Portugal e pela Macedo & Vitorino e associados, diz a incubadora. A selecção dos candidatos será efectuada pela análise da respectiva capacidade técnica e financeira.

Segundo diz a Startup Lisboa, obras deverão iniciar-se até ao final do primeiro trimestre de 2020 e terminar “no prazo máximo de um ano”. Há uns meses, a incubadora tinha já lançado um concurso para a construção de residências temporárias, que devem estar a funcionar no final do próximo ano.

A transformação da zona sul da antiga Manutenção Militar no Hub Criativo do Beato foi anunciada em Junho de 2016, depois de o Estado ter transferido para a câmara de Lisboa a gestão de 20 edifícios da ala sul por 50 anos. São 35 mil metros quadrados junto ao rio, cuja cedência custará cerca de sete milhões de euros ao município durante meio século. O objectivo é tornar este espaço num “dos maiores pólos de inovação e empreendedorismo da Europa”, reconvertendo os edifícios para que recebam empresas das áreas da tecnologia, inovação e indústrias criativas. No entanto, ao longo destes três anos, as obras têm decorrido muito lentamente

Em Maio do ano passado, foi também a anunciada a reabilitação e gestão da antiga central eléctrica, onde nascerá uma zona de restauração e de produção de cerveja, pela mão do Super Bock Group. Além da Startup Lisboa, que ficará com a gestão de todo o Hub, também a incubadora de empresas alemã Factory, o Super Bock Group, a Mercedes e a Web Summit terão ali os seus espaços.