Reportagem

O que dizem os seus olhos? Moçambique na encruzilhada das urnas

As eleições gerais moçambicanas ficaram marcadas pelo assassínio de um observador eleitoral, morto a tiro por agentes da polícia, e uma vitória esmagadora da Frelimo, o partido no poder desde 1975. As “eleições mais observadas” de sempre, segundo o presidente Nyusi, levantaram muitos problemas à observação e terminaram com o painel de alertas completamente aceso.

Foto
Observadores eleitorais esperando à chuva pelas suas credenciais em Chongoane, na província de Gaza Grant Lee Neuenburg

Na sala de estar da família de Anastácio Matavel, no bairro 11, em Xai-Xai, província de Gaza, o retrato do activista em cima de uma estante fixa a tristeza desde o seu posto alto de observação. A viúva está sentada no chão, junto de outras duas mulheres. Tem a mágoa impressa no rosto e o corpo marcado de luto. O observador eleitoral, fundador do Fórum das Organizações Não Governamentais de Gaza (FONGA) e membro da plataforma de observação eleitoral conjunta Sala da Paz foi assassinado a tiro por agentes das forças especiais da polícia uma semana antes das eleições em Moçambique.