Depois de reencontrar Lula, Dirceu diz que é a hora do PT regressar ao poder

Para além de Lula, o ex-ministro, condenado a mais de 30 anos de prisão, também saiu da cadeia na sexta-feira.

Foto
Lula e Dirceu não se viam pessoalmente desde 2012 DR

A sentença do Supremo Tribunal Federal (STF) que veio proibir as prisões de condenados que ainda tenham possibilidade de recurso fez centrar as atenções em Lula da Silva, mas há muitos outros alvos da Lava-Jato na mesma situação. No mesmo dia em que o ex-Presidente foi libertado, o ex-ministro José Dirceu e o ex-governador de Minas Gerais, Eduardo Azeredo, também saíram da cadeia.

Dirceu, que foi ministro da Casa Civil de Lula, reencontrou-se ainda na sexta-feira à noite com o ex-Presidente em Curitiba, numa festa para celebrar a sua saída da prisão. Tinham-se visto pela última vez em 2012, segundo a imprensa brasileira. Em seguida, Dirceu gravou um vídeo em que afirmou que o Partido dos Trabalhadores é “tudo o contrário do que esse Governo está a fazer”.

“Agora é para nós voltarmos e retomarmos o governo do Brasil”, afirmou o ex-ministro que foi condenado a mais de 30 anos de prisão em dois processos em que é acusado de corrupção. “E para isso nós precisamos deixar claro que nós somos ‘petistas’, de esquerda e socialistas”, acrescentou.

Os cálculos do Conselho Nacional de Justiça apontam para quase cinco mil presos que em teoria reúnem as condições para saírem das prisões, incluindo 38 condenados no âmbito da Lava-Jato. Porém, isto significa que todos venham a sair em liberdade de imediato – cada caso será analisado pelo juiz de execução de pena.