Os muitos puzzles da Stasi que continuam por resolver

Há quase 30 anos, a abertura dos ficheiros da polícia secreta ajudou muitos alemães de Leste a pacificarem-se com histórias difíceis, seja saber quem matou alguém da família ou porque não se conseguiu um emprego. Mas estes ficheiros ainda encerram segredos. E na ex-RDA ainda há quem não saiba como desatar os nós da sua história.

Foto
BStU/Mulders

Há coisas que levam tempo, muito tempo. Assim é com muita da história da então República Democrática Alemã e da sua instituição mais temida, a Stasi. Nos arquivos da polícia secreta há ainda milhares de sacos cheios de pedaços de papel que tanto pessoas como computadores tentam reconstruir – o maior puzzle do mundo, que pode demorar décadas a ser resolvido. Há ainda milhares de pessoas a querer ver o seu ficheiro, ou o de familiares que morreram entretanto – o tempo médio de espera para consulta destes documentos é, ainda hoje, de mais de um ano. E há ainda muitas pessoas que não descobriram o caminho para lidar com a sua própria história – quanto tempo, por exemplo, vai demorar Ralf Pasch, com quem falamos num café na Avenida Karl Marx, até escrever uma carta ao padrasto que foi agente da Stasi?

Sugerir correcção
Comentar