A máquina que limpa pulmões já funciona e salvou a vida a Maria

Aparelho adquirido pelo Hospital de Santa Marta deverá permitir recuperar quatro a cinco pulmões por ano, reduzindo o número de doentes em lista de espera por um transplante pulmonar.

Fotogaleria
Unidade de cuidados intensivos do serviço de cirurgia cardiotorácica do Hospital de Santa Marta, onde os doentes recuperam após o transplante pulmonar Francisco Romão Pereira
Fotogaleria
José Fragata, director do serviço de cirurgia cardiotorácica e responsável pelo centro de transplantação pulmonar Francisco Romão Pereira
Fotogaleria
Paulo Calvinho, cirurgião cardiotorácico que liderou o transplante com pulmões recuperados Francisco Romão Pereira

Maria (nome fictício) já pode respirar como há muito não conseguia. Em lista de espera há um ano, a doente algarvia fez, esta quarta-feira, um transplante pulmonar no Hospital de Santa Marta, em Lisboa. Foi a primeira doente em Portugal a receber pulmões recuperados por uma máquina de preservação pulmonar ex-vivo, única no Serviço Nacional de Saúde para este objectivo. Sem este aparelho, cujo custo de aquisição rondou os 150 mil euros e a que se juntam cerca de 20 mil euros por kit usado, Maria continuaria à espera de um órgão.