Torne-se perito

Consumo de antidepressivos mais do que triplicou em Portugal entre 2000 e 2017

Portugal apresentava em 2017 um consumo de 104 doses diárias de antidepressivos por mil pessoas. Com maiores consumos do que Portugal surgem a Islândia, o Canadá, a Austrália e o Reino Unido.

Foto
DAVID CLIFFORD/ARQUIVO

Portugal é o quinto país da OCDE com maior consumo de antidepressivos, tendo mais do que triplicado o consumo no país entre 2000 e 2017.

O relatório sobre o sector da saúde em 2019 da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), divulgado esta quinta-feira, mostra um aumento generalizado no consumo de antidepressivos nos cerca de 30 países analisados, que entre 2000 e 2017 registaram, no conjunto, uma duplicação.

Portugal apresentava em 2017 um consumo de 104 doses diárias de antidepressivos por mil pessoas, quando em 2000 pouco ultrapassava as 30 doses diárias. O relatório usa como indicador a “dose diária”, que representa a média indicada por dia para um medicamento usado por adultos para sua principal indicação terapêutica.

Portugal apresenta um consumo de 104 doses diárias por mil pessoas, quando a média dos países da OCDE é de 63. Com maiores consumos do que Portugal surgem a Islândia, o Canadá, a Austrália e o Reino Unido.

Segundo o documento Health at Glance 2019, o aumento do consumo de antidepressivos pode reflectir melhorias no reconhecimento e diagnóstico da depressão, a disponibilidade de terapias e a evolução de guias de orientação clínica. Há contudo uma grande variação entre os países analisados e a Islândia tem, por exemplo, um consumo dez vezes superior ao da Letónia, país com consumo mais reduzido.

Sugerir correcção