Dois campos de imigrantes desmantelados em Paris

Desmantelamento surge um dia depois de o Governo francês ter anunciado um endurecimento da política imigratória. No local viviam há meses entre 600 a 1200 pessoas em tendas improvisadas. Serão agora temporariamente alojadas em centros de acolhimento perto da capital francesa.

Fotogaleria
LUSA/JULIEN DE ROSA
Fotogaleria
LUSA/JULIEN DE ROSA
Fotogaleria
LUSA/JULIEN DE ROSA
Fotogaleria
LUSA/JULIEN DE ROSA
Fotogaleria
LUSA/JULIEN DE ROSA
Fotogaleria
LUSA/JULIEN DE ROSA
Fotogaleria
LUSA/JULIEN DE ROSA
Fotogaleria
LUSA/JULIEN DE ROSA
Fotogaleria
LUSA/JULIEN DE ROSA
Fotogaleria
LUSA/JULIEN DE ROSA

Dois campos de imigrantes com tendas improvisadas foram desmantelados na manhã desta quinta-feira no Nordeste de Paris. O anúncio foi feito pela polícia francesa, que disse tratar-se do início de operações de evacuação de campos de imigrantes, um dia depois de o Governo francês ter prometido endurecer a política imigratória. No local viviam entre 600 a 1200 pessoas. 

Foi logo às 6h de quinta-feira (5h em Portugal) que cerca de 600 agentes da polícia francesa começaram a desmantelar os dois campos de imigrantes, levando-os de autocarro para ficarem temporariamente alojados em ginásios e centros de acolhimento na região parisiense. Os imigrantes estavam a viver há meses em tendas improvisadas junto a uma das estradas mais movimentadas da capital francesa. Segundo o Le Monde, foram mobilizados cerca de 40 autocarros para os transportar.

PÚBLICO -
Foto
A operação no Nordeste de Paris JULIEN DE ROSA/EPA

A AFP descreve estas duas operações como tendo uma “dimensão inédita”, numa escala sem precedentes. Surgem um dia depois de o ministro do Interior francês, Christophe Castaner, ter assumido “o compromisso” de acabar com aqueles campos no Nordeste de Paris “até ao final do ano”. 

“Esta operação foi decidida no âmbito da execução do plano governamental, não acontece por acaso”, explicou no local o responsável da polícia de Paris, Didier Lallement. O Governo francês anunciou na quarta-feira que pretende aprovar uma reforma imigratória que inclui várias bandeiras da direita tradicional, numa tentativa de ganhar terreno face à extrema-direita. 

Uma das medidas no centro do debate público é a introdução de um sistema de quotas para imigrantes extracomunitários baseadas nas carências de certas categorias profissionais. Anualmente serão fixados objectivos territoriais consoante as profissões em que haja mais necessidade de mão-de-obra. 

A presidente da Câmara de Paris, Anne Hidalgo, esteve no local e afirmou que o país estava em condições de acolher e garantir “dignidade” a estes imigrantes. “A rua não é sítio para se viver, é um sítio de perigo e de indignidade”, argumentou.

O jornal Le Parisien diz que a operação decorreu sob chuva torrencial e que entre os imigrantes há famílias com crianças.

Ainda que esta seja uma das maiores operações deste género em França, não é inédita: esta é a 59.ª operação de evacuação de campos de imigrantes desde 2015, escreve o Le Monde. Nas próximas semanas, deverão ser desmantelados outros campos improvisados (incluindo o de Aubervilliers, também na periferia de Paris​) em operações similares, disse o governante da região, Michel Cadot. com Lusa