Porque é que uma rapariga não há-de gostar de Engenharia Informática?

Há uma política activa para atrair mulheres para Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática e isso vê-se no Instituto Superior Técnico de Lisboa. Este é o terceiro de uma série de trabalhos feitos a propósito do Dia Nacional da Igualdade Salarial, que se assinala sexta-feira.

Fotogaleria
Susana Monteiro Francisco Romão Pereira
Fotogaleria
Mariana Fernandes Francisco Romão Pereira
Fotogaleria
Rita Mendonça Francisco Romão Pereira
Fotogaleria
Rita Pereira Francisco Romão Pereira

Rita Pereira sempre quis estudar no Instituto Superior Técnico de Lisboa, como os avós e uma tia de que muito gosta. Entusiasmada com a robótica, escolheu o curso de Engenharia Electrotécnica​ e de Computadores. Ao entrar, a rapariga de 18 anos deparou-se com um enorme desequilíbrio de género. “Somos 30 raparigas e 190 rapazes.”