Opinião

Web Summit: a cimeira do trabalho grátis

É triste que o Governo e a Câmara de Lisboa dêem abraços e milhões a Paddy Cosgrave e não tenham nada a dizer sobre as condições em que se trabalha numa conferência.

Edward Snowden abriu a Web Summit com uma frase lapidar: “Não são os dados que estão a ser explorados, são as pessoas.” A frase aplica-se, sem alteração, à maneira como a Web Summit explora quem lá trabalha.

O Governo e a Câmara de Lisboa garantem um apoio financeiro e logístico fortíssimo à Web Summit –11 milhões de euros por ano, em dez anos – e não podemos deixar de alertar para aquelas coisas de que nunca se fala nestas grandes iniciativas de regime: vai haver mais de 2000 voluntários a trabalhar absolutamente de graça. Voluntários a quem, segundo o próprio regulamento de voluntariado da Web Summit que estão obrigados a assinar, se exige pontualidade “para cumprir os turnos que lhe são indicados” e flexibilidade para qualquer alteração aos mesmos. Ou seja, trabalharão as horas que o chefe mandar.

Em troca, diz a organização, oferecem regalias como o acesso a uma única conferência, mas também não é certo, depende de há quantos anos fazes voluntariado. Para exploração, não está mal.

E engana-se quem pensar que estarem na Web Summit lhes vai permitir conhecer pessoas novas para as suas carreiras: os voluntários estão proibidos de fazer networking com outros voluntários, visitantes ou oradores da conferência. Porquê? Porque isso é, e cito o regulamento, “um conflito de interesses”.

Toda a liberdade e diversão da Web Summit é uma charada: os voluntários estarão “obrigados” – é a palavra que utilizam no regulamento, é obrigatório – a utilizar hardware para as suas funções. E, caso esse hardware que estão obrigados a utilizar seja danificado, serão obrigados a ressarcir a Web Summit, que, por sua vez, recebeu dinheiro público para comprar o tal hardware. Paddy Cosgrave é muito empreendedor desde que não lhe risquem a câmara de filmar que o Estado lhe pagou.

És voluntário e queres tirar fotografias ou gravar com o teu telemóvel? Esquece. Qualquer imagem ou conteúdo é propriedade de Paddy Cosgrave.

No final do regulamento, vêm os pormenores sórdidos, e cito: “Os voluntários compreendem que o voluntariado envolve algum risco ou ferimento para eles próprios ou outros no decorrer das suas obrigações. Na hipótese de dano ou ferimento, o voluntário reconhece que a Web Summit não é responsável.” És voluntário? Se partires a perna, a culpa é tua.

É uma triste imagem do que é a promoção de uma economia qualificada.

É a isto que Fernando Medina chamou “apostar no futuro” da cidade. Lamento, mas isto é apenas uma charada. E é triste que o Governo e a câmara dêem abraços e milhões a Paddy Cosgrave e não tenham nada a dizer sobre as condições em que se trabalha numa conferência.