Alaina Gassler tem 14 anos e vive na Pensilvânia, nos EUA
Foto
Alaina Gassler tem 14 anos e vive na Pensilvânia, nos EUA Linda Doane/Society for Science & the Public

Alaina pôs fim ao ângulo morto dos carros — e isso valeu-lhe um prémio

A estudante de 14 anos desenvolveu uma solução simples que pode vir a prevenir muito acidentes rodoviários que acontecem por falta de visibilidade do condutor. No futuro, quer apresentar o projecto a marcas de automóveis como a Tesla.

Alaina Gassler, uma estudante de 14 anos do Estado norte-americano da Pensilvânia, inventou uma solução nova para um problema antigo: conseguiu acabar com os ângulos mortos dos automóveis e alargar, assim, o campo de visão indirecta dos condutores. Pela sua invenção que poderá minimizar os riscos de acidentes rodoviários, a jovem foi seleccionada entre 29 outros concorrentes e recebeu um prémio de 25 mil dólares (mais de 22 mil euros) — o primeiro lugar da competição.

Na prática, o que Alaina Gassler concebeu para fazer com que o pilar A (as duas estruturas laterais que suportam o pára-brisas) dos automóveis desaparecesse não passa de uma conjugação de objectos que já estavam inventados. Primeiro, uma webcam é posta do lado de fora do carro, junto ao retrovisor, para filmar o ângulo que o condutor não consegue ver. Depois, essa mesma imagem, que é reproduzida através de um projector montado na parte de dentro do tecto do carro, passa a ser visualizada na parte interior daquele mesmo pilar. Para quem não conhece o truque, parece que a estrutura desaparece completamente quando as imagens da webcam começam a ser apresentadas.

De acordo com a CNN, após os primeiros protótipos, a jovem acabou por incluir um tecido retrorreflexivo para cobrir o pilar A, permitindo que a luz do projector reflectisse de volta para o mesmo, em vez de “saltar” em direcções diferentes dentro do carro. Este passo não só permite que o motorista veja a imagem com mais clareza, mas também impede os restantes passageiros do automóvel de serem afectados pela luz do projector.

A ideia de Gassler foi inspirada na própria família: a mãe não gostava de conduzir certos carros porque o ângulo morto era demasiado alargado, a avó admitiu já ter batido em vários postes de electricidade pelo mesmo problema, e o irmão tinha acabado de tirar a carta — o que só aumentou a preocupação da jovem com a segurança da família. “Quando fiz a minha pesquisa, descobri que há mais de 840 mil acidentes de carro relacionados com ângulos mortos por ano só nos EUA, o que tornou este projecto significativamente mais importante para mim”, disse a estudante, citada pela CNN.

A retirada dos pilares não era uma opção, uma vez que estes servem para suportar o peso do pára-brisas e reforçar a protecção do condutor em caso de acidente, daí que tenha tentado ocultá-los sem os retirar.

A jovem submeteu o projecto quando estava no oitavo ano, mas só agora, no primeiro ano do ensino secundário, viu a sua invenção ser seleccionada para o primeiro lugar do concurso Broadcom MASTERS, uma das principais competições de ciência e engenharia dos Estados Unidos da América destinada a estudantes do sexto, sétimo e oitavo anos de escolaridade. Ao canal norte-americano, Alaina Gassler admite que no futuro próximo quer tornar o seu protótipo mais exclusivo, patentear o design e expor a sua criação a empresas de automóveis como a Tesla.

Ao longo dos anos, várias marcas — como a Jaguar Land Rover, a Toyota e a Hyundai — já tentaram incluir nos seus carros produtos semelhantes ao da estudante de 14 anos, mas até agora nenhum chegou a avançar para a fase de implementação.