Câmara de Braga quer lançar obra para aliviar trânsito no Nó de Infias em 2021

O executivo municipal aprovou um acordo de colaboração com a Infra-estruturas de Portugal para transformar o principal acesso à cidade por Norte, habitualmente congestionado.

Foto
jos Joao Silva

O engarrafamento do tráfego automóvel é um cenário frequente no Nó de Infias, o principal acesso à cidade de Braga para quem se desloca a partir da zona norte do concelho, de concelhos limítrofes como Vila Verde e Amares e até do Alto Minho, e a Câmara Municipal afirma-se determinada em minimizar um problema com “impacto na qualidade de vida da população envolvente”, afirmou esta segunda-feira o seu presidente, Ricardo Rio.

A autarquia viabilizou esta segunda-feira, em reunião do executivo, um acordo de colaboração com a Infra-estruturas de Portugal (IP), que visa o lançamento do “concurso público internacional para a execução da obra” em 2021, acrescentou o líder da maioria PSD/CDS-PP que governa o mais populoso concelho minhoto. Esse documento, consultado pelo PÚBLICO, reitera que os problemas de tráfego naquela zona cuja envolvente urbana tem “forte predomínio residencial”, mas também funções de comércio, de serviços e de lazer, decorrem de “atrasos e congestionamentos, que resultam da confluência de diversas vias que provêm dos concelhos limítrofes”.

O presidente da Câmara estimou que a intervenção vai custar cinco milhões de euros, caso se avance com a construção de um viaduto capaz de desviar os automóveis de zonas da circular urbana hoje inseridas na cidade, em virtude do seu crescimento, e com um novo acesso ao Hospital de Braga que permita contornar o nó. “É a intervenção que balança melhor a função da obra e o seu custo económico”, defendeu.

Depois do ministro das Infra-estruturas, Pedro Nuno Santos, ter prometido, em Setembro último, ajuda financeira do Estado para uma eventual intervenção naquele troço rodoviário, o autarca bracarense considerou que o Estado Central deve financiar a obra, se não a 100%, de “forma muito significativa”, com uma verba prevista no Orçamento do Estado para 2021.

Além dessa obra, o Nó de Infias vai ser alvo de pequenas obras de ordenamento do trânsito, sinalização e pavimentação pela IP, a partir de 15 de Novembro. Essas intervenções visam “alargar o escoamento do trânsito e gerar menos conflitos nas zonas de circulação”, explicou Ricardo Rio.

O presidente da Câmara avisou, no entanto, que o tráfego automóvel em Braga não mais poderá ter a “fluidez de há uns anos atrás”, face à tendência de crescimento da população numa “cidade desenhada para o automóvel”. O problema do trânsito, frisou, só poderá ser resolvido com uma preferência crescente pelos transportes públicos e um aumento de espaços pedonais.

Orçamento é insuficiente, diz PS

As forças da oposição no executivo municipal, PS e CDU, votaram favoravelmente ao acordo de colaboração, mas um dos vereadores socialistas, Artur Feio, considerou impossível a resolução do congestionamento automóvel em Infias com um orçamento de cinco milhões de euros. O responsável do PS defendeu, aliás, que uma obra de cinco milhões é perfeitamente exequível para um município que, em 2020, vai ter um orçamento de 120 milhões. Mesmo assim, considerou fazer sentido uma comparticipação financeira do Estado.