ANNAPURNA AND UNITED ARTISTS
Foto
ANNAPURNA AND UNITED ARTISTS

Um “não” ao sexo gay e à palavra vagina: Delta Airlines diz que “censura” a filmes não volta a acontecer

Em causa está a edição feita pela fornecedora do filme que optou por remover ou censurar palavras ou cenas que considerou “inapropriadas”. Porta-voz da Delta Arlines garante que a versão do filmes será substituída “o mais rápido possível”.

Tal como muitas histórias deste tipo, esta começou no Twitter: um grupo de utilizadores queixou-se que tentou ver o filme Booksmart num dos voos da companhia norte-americana Delta Airlines, mas que uma boa parte das cenas que envolviam sexualidade LGBTI+ tinham sido cortadas ou censuradas. Mais: as palavras “vagina” e “lésbica" foram silenciadas de todas as vezes que as personagens as disseram, enquanto a palavra “fuck” e outras que são consideradas palavrões não sofreram alterações. Cortes semelhantes aconteceram com o filme Rocketman, uma biografia de Elton John.

“Tentei assistir ao Booksmart no avião e eles cortaram a cena lésbica inteira, nem um beijo foi permitido! Ah, mas não se preocupem, os heterossexuais tiveram o seu beijo”, escreveu uma passageira. Noutro tweet, a utilizadora refere que no mesmo voo viu outro filme que não tinha nenhuma cena de sexo heterossexual censurada ou cortada.

Não demorou muito até que as reclamações chegassem aos ouvidos de Olivia Wilde, que se estreou na realização com Booksmart, e ainda menos a que a actriz fizesse do Twitter o seu palco para pedir justificações à Delta, argumentando que a cena em questão não tinha nudez.

Em resposta, a companhia aérea referiu que as edições não foram solicitadas pela mesma e que foram executadas por um fornecedor externo. "Os estúdios costumam fornecer vídeos de duas formas: uma versão original e teatral e uma versão editada”, disse um porta-voz da Delta à revista Variety, acrescentando que a companhia aérea acabou por escolher a versão editada, decisão que será agora revogada uma vez que já foram implementadas medidas para garantir que os filmes não omitem as cenas LGBTI+.

Pouco tempo antes, a Delta também tinha sido fortemente criticada por mostrar uma versão editada de Rocketman, o filme biográfico de Elton John protagonizada por Tarron Egerton, removendo todas as referências à orientação sexual do músico. “Seleccionamos a versão editada e agora percebemos que o conteúdo dentro das nossas directrizes foi desnecessariamente excluído dos dois filmes. Estamos a trabalhar para garantir que isso não acontece novamente”, referiu a mesma fonte da companhia aérea à publicação norte-americana.

O estúdio concordou em fornecer uma edição especial para a Delta que inclui as cenas LGBTI+ de ambos os filmes que estarão disponíveis “o mais rapidamente possível”. A porta-voz adiantou ainda que não era uma prática comum da Delta omitir cenas de amor LGBTI+, fazendo referência a versões completas de filmes que podem ser visualizadas em voos da companhia e que incluem este tipo de cenas como Gentleman Jack e Moonlight.

Olivia Wilde, sabendo da decisão, agradeceu à companhia através do Twitter, mas não sem antes fazer referência a tudo o que foi (e não foi) cortado da versão censurada depois de ter tido a oportunidade de ver o filme num dos voos da Delta. "Parece que algumas companhias aéreas trabalham com uma empresa que edita o filme com base no que considera inapropriado. Que, no nosso caso, é... A sexualidade feminina”, escreveu a actriz, dizendo que as empresas deviam confiar no “aviso de conteúdo explícito” que aparece antes do filme.

“Que mensagem é que isto está a enviar para os espectadores e principalmente para as mulheres? Que os seus corpos são obscenos? Que a sexualidade delas é vergonhosa?”, disse ainda a actriz e realizadora na sua plataforma. Em resposta, vários utilizadores afirmam já ter visto filmes com conteúdo sexual explícito em voos, recordado que nada do que viram em Booksmart está perto de ofensivo e questionando a Delta Airlines sobre o porquê destas cenas e palavras terem sido cortadas ou censuradas.

Sugerir correcção