Líder indígena morto a tiro no Brasil em alegada emboscada de madeireiros

Segundo a versão da tribo, alguns membros foram alvos de uma emboscada no município de Bom Jesus das Selvas. Paulino e Laércio afastaram-se da aldeia para buscar água quando foram cercados por pelo menos cinco homens armados.

,floresta amazônica
Fotogaleria
Paulo Paulino Guajajara, um dos denominados "Guardiões da Floresta", foi morto esta sexta-feira. Fotografia de Setembro de 2019 Reuters/Ueslei Marcelino
Fotogaleria
Laércio Souza Silva, outro líder da tribo Guajajara, também ficou ferido Reuters/UESLEI MARCELINO
floresta amazônica
Fotogaleria
Os autodenominados guardiões da tribo Guajajara (uma das mais numerosas no Brasil) são cerca de 180 e agem contra acampamentos de madeireiros Reuters/Ueslei Marcelino
,floresta amazônica
Fotogaleria
Imagem de Setembro de 2019 Reuters/Ueslei Marcelino
,Guajajara
Fotogaleria
Imagem de Setembro de 2019 Reuters/UESLEI MARCELINO
Fotogaleria
Imagem de Setembro de 2019 Reuters/UESLEI MARCELINO
Fotogaleria
Imagem de Setembro de 2019 Reuters/UESLEI MARCELINO

Dois membros da tribo Guajajara foram mortos na sexta-feira à noite durante uma emboscada alegadamente feita por madeireiros armados, na Amazónia brasileira, divulgou este sábado a Secretaria de Direitos Humanos do Governo do Maranhão e a imprensa local.

Entre os mortos está Paulo Paulino Guajajara, um dos denominados “Guardiões da Floresta”, um grupo de indígenas dedicado a proteger a floresta amazónica da destruição ambiental. Outro líder da tribo Guajajara, Laércio Souza Silva, ficou ferido e um madeireiro está desaparecido, acrescentou aquele organismo do governo do estado do Maranhão, no nordeste do país.

Segundo a versão da tribo, “o confronto partiu de uma emboscada” no município de Bom Jesus das Selvas. “Os guardiões Paulino e Laércio afastaram-se da aldeia para buscar água quando foram cercados por pelo menos cinco homens armados” que terão disparado contra os indígenas, lê-se numa mensagem da Secretaria divulgada na rede social Twitter.

Membros do programa de protecção dos defensores dos direitos humanos e equipas de segurança armadas foram enviados para a região para averiguar o sucedido.

Segundo a organização não-governamental Survival International,pelo menos três guardiões já foram assassinados e muitos de seus parentes também foram mortos por madeireiros e grileiros [usurpadores que falsificam documentos para tomar posse de terras] que invadem seu território, a Terra Indígena Arariboia, que agora é a última área de floresta que resta na região”.

Os autodenominados guardiões da tribo Guajajara (uma das mais numerosas no Brasil) são cerca de 180 e agem contra acampamentos de madeireiros que se dedicam a queimadas e ao corte ilegal de árvores. A associação ambiental Greenpeace repudiou o sucedido e pediu ao Governo do Brasil que aja para evitar “mais conflitos e mais mortes” naquela região.

Sugerir correcção