WhatsApp foi usado para espiar governos de vários países

Hackers terão usado plataforma que explorava falha nos servidores do WhatsApp. Foram espiados telemóveis de mais de 1400 utilizadores distribuídos por 20 países dos cinco continentes.

Whatsapp
Foto
Reuters/Dado Ruvic

Várias figuras governamentais de países aliados dos Estados Unidos foram vítimas de um software de espionagem que usava o WhatsApp para controlar os telemóveis dos alvos. Fontes próximas da investigação interna do WhatsApp a este caso confirmaram à Reuters que uma parte “significativa” dos alvos escolhidos pelos hackers foram funcionários governamentais e militares importantes, oriundos de 20 países em cinco continentes.

A extensão deste ataque pode vir a ter sérias consequências políticas e diplomáticas. O WhatsApp processou, na terça-feira, a empresa tecnológica israelita NSO Group, acusando-a de ter desenvolvido e comercializado uma plataforma que permitia explorar uma falha nos servidores do WhatsApp, facilitando o acesso aos telemóveis de mais de 1400 utilizadores.

Enquanto ainda não é claro quem usou este software para aceder aos telemóveis, a NSO afirma que apenas vende spyware a clientes governamentais. Algumas das vítimas estão nos Estados Unidos, Emirados Árabes Unidos, Bahrain, México, Paquistão e Índia, confirmaram fontes próximas da investigação. Não foi possível confirmar se, nas vítimas destes países, estão incluídos membros executivos dos respectivos governos.

Esta revelação surge dias após as acusações de jornalistas e activistas de direitos humanos indianos, que garantiram que também tinham sido alvo deste spyware.

A NSO não respondeu imediatamente ao pedido de esclarecimento enviado pela Reuters. Em ocasiões anteriores, a empresa negou qualquer actividade ilegal, explicando que os seus produtos apenas servem para ajudar órgãos governamentais a deter terroristas e criminosos.

Um grupo de pesquisa independente, chamado CitizenLab, revelou que pelo menos uma centena de vítimas são jornalistas e dissidentes, não criminosos. “É um segredo aberto que muitas empresas tecnológicas [que serviriam] para investigações das autoridades são usadas para espionagem política”, afirmou John Scott-Railton, um dos membros da equipa deste grupo de pesquisa.

No início da semana, o WhatsApp enviou notificações de aviso aos utilizadores afectados.