Vendas de iPhone continuam a abrandar, mas Apple supera expectativas de analistas

A empresa reportou receitas de 64 mil milhões de dólares (cerca de 57 mil milhões de euros) para o terceiro trimestre deste ano. Embora a venda de telemóveis continue a diminuir, o sector de relógios inteligentes e auriculares cresceu mais de 50%.

Foto
As vendas dos iPhones desceram 9% no terceiro trimestre de 2019 Reuters/FLORENCE LO

As receitas da Apple entre Julho e Setembro de 2019 superaram as analistas de Wall Street, mesmo com as vendas do iPhone a continuarem a descer numa altura em que o mercado de smartphones está cada vez mais saturado. Agora, são os relógios inteligentes, auriculares e serviços por subscrição a empurrar as receitas.

Esta quarta-feira, a empresa reportou receitas de 64 mil milhões de dólares (cerca de 57 mil milhões de euros) para o terceiro trimestre deste ano – é uma subida de 1,8% em relação ao trimestre homólogo. O sector de wearables – que inclui os relógios inteligentes e os auriculares sem fios desenvolvidos pela marca – foi o que mais cresceu, saltando cerca de 54% em relação a 2018, de 4,2 mil milhões de dólares em receitas para 6,5 mil milhões de dólares.

O presidente executivo da Apple, Tim Cook, mostrou-se confiante que os resultados se mantenham até ao final do ano. “Estamos muito optimistas para o período de férias”, disse em comunicado sobre os resultados. Os novos auriculares AirPods Pro também devem ajudar a empurrar as receitas.

“Estamos muito satisfeitos com o que estamos a ver com o iPhone 11, 11 Pro e 11 Pro Max”, acrescentou Cook sobre os três novos telemóveis da marca que, actualmente, são os que mais vendem de entre a extensa gama de iPhones. Em Portugal, o modelo mais avançado pode chegar aos 1669,99 euros.

Ainda assim, no geral, a venda de iPhones continua a descer. Embora os telemóveis continuem a representar a maior fonte de receita da marca – com 33,36 mil milhões de dólares em receitas entre Julho e Setembro de 2019 –, o valor desceu 9% em relação ao trimestre homólogo. Durante muito tempo a Apple dominou o mercado dos topos de gama, mas nos últimos anos a chinesa Huawei e a sul-coreana Samsung têm conquistado consumidores empurrando a marca para o terceiro lugar do pódio. Das três, a Apple é a única que ainda não apresentou um telemóvel dobrável.

Apesar de Cook acreditar que as vendas dos novos telemóveis irão aumentar durante o período das férias, o presidente executivo nota que se não fosse pela queda ao nível dos smartphones, as receitas teriam crescido ainda mais. “Fora do iPhone, crescemos 17% em relação ao ano anterior”, disse Tim Cook.

A Apple também notou que o serviço de subscrições da Apple, que inclui aplicações e serviços de armazenamento como a iCloud, aumentou 40% de ano para ano. O valor deve aumentar com o lançamento do serviço de streaming de filmes e séries Apple TV a partir de Novembro.

A nível global, as vendas da empresa foram mais fortes nos EUA, com vendas no Japão, Europa, e China a descer ligeiramente em relação ao trimestre homólogo.

Sugerir correcção