Dois feridos graves na Madeira: derrocada atinge grupo de turistas

Uma turista francesa de 62 anos perdeu um braço e um português de 30 sofreu um traumatismo craniano, numa derrocada esta quarta-feira num percurso de montanha na Madeira. Acidente fez outros nove feridos, mas sem gravidade.

Fotogaleria
LUSA/HOMEM DE GOUVEIA
Carro
Fotogaleria
LUSA/HOMEM DE GOUVEIA
Fotogaleria
A Levada do Caldeirão Verde Daniel Rocha
Ambulância
Fotogaleria
LUSA/HOMEM DE GOUVEIA
,Ambulância
Fotogaleria
LUSA/HOMEM DE GOUVEIA

Onze feridos, dois dos quais com gravidade, são o balanço de uma derrocada ocorrida no início da tarde desta quarta-feira na levada do Caldeirão Verde. Um percurso pedestre de montanha no concelho de Santana, na ilha da Madeira.

A vítima de maior gravidade é uma turista francesa de 62 anos, que sofreu a amputação de um braço na sequência do desprendimento de pedras, ocorrido num local a mais de uma hora de distância da estrada mais próxima. O outro ferido a inspirar maiores cuidados, foi um homem de nacionalidade portuguesa de 30 anos, que foi transportado ao Hospital Dr. Nélio Mendonça, no Funchal, com um traumatismo craniano-encefálico.

Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Daniel Rocha
Fotogaleria

O secretário regional da Saúde e Protecção Civil, Pedro Ramos, foi cauteloso nos prognósticos em relação a estas duas vítimas. “As próximas horas serão fundamentais, para uma avaliação”, explicou aos jornalistas, no final do dia, durante uma conferencia de imprensa conjunta com o secretário regional do Turismo e Cultura (Eduardo Jesus) e o comandante da Protecção Civil da Madeira, José Dias.

A vítima de nacionalidade francesa foi submetida a uma intervenção cirúrgica no hospital, enquanto homem com ferimentos na cabeça foi encaminhado para a Unidade de Cuidados Intensivos.

Os restantes feridos, com idades compreendidas entre os 30 e os 62 anos, são de várias nacionalidades – francesa, portuguesa, alemã e brasileira – apresentavam escoriações várias e pequenos ferimentos, e receberam tratamento no centro de saúde de Santana, uma pequena cidade na costa Norte da ilha.

 Foi, descreveu o capitão José Dias, uma operação de “elevada complexidade”. O local da derrocada ficava sensivelmente a meio do percurso, um dos mais procurados por turistas e locais. “Foram montados dois postos de comando: um no Vale da Lapa e outro nas Queimadas. Os feridos mais graves foram encaminhados para o primeiro local [a 45 minutos da estrada] e os restantes para o segundo posto [a 1h45 da estrada]”, disse o responsável pela Protecção Civil, depois de agradecer o “empenho e esforço” de todos os profissionais envolvidos na operação.

Para o local, contabilizou, foram mobilizados 19 viaturas terrestres, um helicóptero e 70 operacionais entre médicos, equipa de resgate de montanha, agentes policiais e militares da GNR. 

A levada do Caldeirão Verde tem 6,5 quilómetros e é um dos percursos turísticos recomendados. No total, entre ir e volta, pode demorar quase seis horas a ser percorrida. Atravessa a floresta Laurissilva, Património Natural pela UNESCO, e foi, vincou Eduardo Jesus, submetido a vários melhoramentos ainda este ano. “Levou varandins novos e os pisos foram melhorados”, elencou o secretário regional do Turismo, desvalorizando possíveis impactos que este acidente poderá ter no sector. “O trilho estava a ser monitorizado como todos os outros percursos recomendados. Situações como esta, são imprevisíveis”, argumentou, dizendo que o governo madeirense tem uma equipa no hospital a acompanhar os familiares das vítimas.

O trilho, que foi encerrado para a operação de socorro, vai continuar fechado para serem avaliadas as condições de segurança.